Especialistas chineses e brasileiros discutem perspectivas da Internet das Coisas

Evento foi realizado pelo pelo Conselho Empresarial Brasil-China

 

A Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), a tecnologia que permite a conexão entre dispositivos e que ganhará mais força com a difusão do 5G, representa um potencial de cooperação entre China e Brasil. Especialistas dos dois países discutem as perspectivas, num seminário, sobre a cooperação sino-brasileira de IoT.

O evento, intitulado “Internet das Coisas: em Direção a uma Nova Realidade entre Humanos e Máquinas”, foi realizado pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) em parceria com a Embaixada da China no Brasil, o Ministério do Comercio da China (MOFCOM) e a Escola Internacional de Negócios da Universidade de Zhejiang (ZIBS). Participaram do debate oficiais, especialistas e executivos de grandes empresas que atuam no setor.

Paulo Humberto Correa, diretor de Soluções Corporativas da TIM, introduziu que a implantação do 5G no Brasil já estava disponível na capital Brasília e estaria habilitado em todas as capitais estaduais até o fim do ano, e se realizaria com o desenvolvimento tecnológico mais recente, o que permitia aplicações industriais de ponta.

Segundo Pan Helin, codiretor do Centro de Pesquisa de Economia Digital e Inovação Financeira da ZIBS, a Internet das Coisas só é possível com base do desenvolvimento do padrão 5G, junto com outras tecnologias inovadoras, como a Inteligência Artificial e a Robótica.

“Está muito clara a importância de observar e estudar a experiência da China, que é uma experiência líder hoje no mundo, desde a tecnologia de IoT junto a redes 5G”, sublinhou Felipe Zmoginski, colunista de tecnologia do portal UOL, moderador do evento.

“A cooperação China-Brasil na IoT beneficiará tanto as áreas de comércio, agricultura, infraestrutura e energia, como o desenvolvimento verde, justo, seguro e sustentável. Esperamos mais projetos na IoT e outras áreas tecnológicas entre os dois lados,” afirmando Jin Hongjun, o Encarregado de Negócios da Embaixada da China no Brasil.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.