Xi pede que BRICS reforce a parceria estratégica e melhore a governança global

O presidente chinês, Xi Jinping, pediu na última sexta-feira (28) que os países do BRICS reforcem sua parceria estratégica e promovam a melhora da governança global. A observação foi feita numa reunião com outros líderes do BRICS em paralelo a uma cúpula das principais economias do Grupo dos Vinte (G20) na cidade japonesa de Osaka.

Xi disse que a situação internacional se encontra atualmente em um período complicado e severo, com a economia mundial mantendo o crescimento em termos gerais mas a incerteza e a instabilidade aumentando significativamente.

Ele pediu que os países do BRICS, que também incluem Brasil, Rússia, Índia e África do Sul, façam bem seu próprio trabalho e fortaleçam sua resiliência econômica e sua habilidade para resistir aos riscos externos. Ao mesmo tempo, ele disse que os países do BRICS precisam fortalecer a solidariedade e a cooperação, impulsionar a construção de um novo tipo de relações internacionais caracterizadas pelo respeito mútuo, igualdade, justiça e cooperação de ganha-ganha, assim como impulsionar um ambiente internacional saudável.

O presidente chinês propôs que os países do BRICS fortaleçam sua parceria estratégica, notando que, na segunda década do mecanismo de cooperação do BRICS, os líderes dos cinco países devem desempenhar um papel líder estratégico, dirigir a cooperação do BRICS na direção correta e continuar obtendo um progresso estável a este respeito.

Os países do BRICS precisam fortalecer a coordenação de política dentro dos marcos multilaterais como a Organização das Nações Unidas (ONU), o G20 e a Organização Mundial do Comércio (OMC), e impulsionar a cooperação “BRICS Plus” trabalhando com outros países de mercados emergentes e países em desenvolvimento. Xi também propôs que os cinco países promovam a melhora da governança global.

Xi pediu que os membros do BRICS defendam firmemente o multilateralismo, protejam a ordem internacional com base na lei internacional e o sistema internacional com a ONU como núcleo, defendam a consulta extensiva, a contribuição conjunta e benefícios compartilhados, e se oponham às sanções unilaterais ilegais e à “jurisdição de braço longo”.

Os países do BRICS devem assumir uma posição clara contra o protecionismo, proteger os valores chave e princípios básicos da OMC, promover ativamente a implementação por parte da comunidade internacional da Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris sobre a mudança climática e promover a tônica dominante da cooperação internacional, assinalou.

Além disso, o presidente chinês propôs que os países BRICS aprofundem a cooperação prática em várias áreas. “Os cinco países precisam promover a cooperação em economia, política e segurança, e os intercâmbios entre povos e culturais de forma equilibrada, acelerar a construção de projetos de cooperação prática como a parceria do BRICS para uma nova revolução industrial, a rede de inovação do BRICS e a futura rede de institutos de pesquisa, e fortalecer sua competitividade”.

Também precisam dedicar-se profundamente à cooperação em inovação global, defender conjuntamente o benefício mútuo, impulsionar um ambiente aberto, justo e não discriminatório, e permitir que todos os países participem e se beneficiem da inovação, incluindo os de mercados emergentes e os que estão em desenvolvimento e suas empresas, disse Xi.

O presidente chinês pediu que os países do BRICS continuem se apoiando e se ajudando e fazendo esforços incansáveis para uma melhor vida de seus povos e para a construção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, o presidente russo, Vladimir Putin, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, assistiram à reunião, presidida por Bolsonaro, uma vez que o Brasil ocupa a presidência rotatória do mecanismo do BRICS.

Os líderes dos outros países do BRICS concordaram que o mundo atual está cheio de incertezas, enquanto a comunidade internacional enfrenta desafios como o aumento do unilateralismo e do protecionismo, a debilitação e a destruição das normas de comércio internacionais e da OMC, e a necessidade urgente de fortalecer a inclusão do desenvolvimento.

Os países BRICS precisam fortalecer a coordenação, desempenhar mais ativamente um papel líder, proteger o multilateralismo e o sistema de comércio internacional com base nas regras, promover padrões de desenvolvimento e comércio justos e sustentáveis com base no respeito mútuo, e desenvolver uma agenda internacional de negociações comerciais mais equilibrada, a fim de ter um papel ainda maior no impulso da prosperidade comum e do crescimento econômico mundial, disseram eles.

Os países do BRICS devem demonstrar melhor o valor estratégico de sua solidariedade e cooperação, defender firmemente o direito ao desenvolvimento dos países em desenvolvimento, e elevar o status das economias emergentes e dos países em desenvolvimento nos assuntos globais, além de fortalecer a cooperação em economia digital, energia e finanças para resistir melhor aos riscos externos, pedindo à cúpula do G20 que foque no desenvolvimento e implemente seus compromissos de assistência à África para o desenvolvimento.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.