Americanos criticam governo por lentidão na vacinação contra varíola dos macacos

Número de casos nos EUA cresceu quase dez vezes em um mês

O governo Biden declarou, na quinta-feira (4), a varíola dos macacos como uma emergência de saúde pública, com casos aumentando nos EUA, de acordo com o The New York Times. A declaração marca a quinta Emergência Nacional desde 2001, enquanto o país permanece ainda em estado de emergência devido à pandemia de coronavírus.

A varíola dos macacos, um vírus semelhante à varíola humana mas com sintomas menos graves, foi encontrada especialmente em partes da África Central e Ocidental. No atual surto, os Estados Unidos possuem o maior número de casos no mundo, e o vírus está se espalhando rápido.

Há menos de um mês, havia 700 casos nos EUA. Agora, o número é quase 10 vezes maior. “Temos 5% da população mundial e 25% dos casos do mundo”, disse o Dr. Carlos del Rio, médico infectologistas da Emory University, em Atlanta. “Isso, para mim, honestamente, é um fracasso. Parece que fomos pegos dormindo no volante.”

A vacina contra a varíola dos macacos, chamada Jynneos, está em falta, e a administração do governo americano foi criticada por se mover com lentidão para responder à demanda de doses. Uma década atrás, os Estados Unidos tinham 20 milhões de doses de Jynneos, e em maio, a maioria delas havia expirada. O deputado Adam B. Schiff, democrata da Califórnia, pediu ao governo Biden para intensificar a fabricação e distribuição de imunizantes, e desenvolver uma estratégia de longo prazo para combater o vírus.

“É importante declarar esse surto da varíola de macacos como uma emergência de saúde pública, mas o mais importante é facilitar a coordenação federal, estadual e local, preencher as lacunas no fornecimento de vacinas, e obter recursos apropriados do Congresso para enfrentar essa crise”, reafirmou Gregg Gonsalves. “Caso contrário, estamos falando de um novo vírus endêmico enraizando no nosso país.”

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.