Pesquisa liga pólen a infecções de Covid-19

O material dificulta a resposta do corpo à infecção com o novo coronavírus

Um estudo internacional sugere que altas concentrações de pólen no ar contribuem para o aumento da taxa de infecção de Covid-19, pois dificulta a resposta imune do corpo humano. Os cientistas recomendam que indivíduos de alto risco usem máscaras de filtro de partículas durante altas concentrações de pólen na primavera.

Os grãos produzidos pelas flores não espalham o vírus. No entanto, o estudo feito em 31 países indica que eles inibem a liberação de substâncias que desencadeiam a resposta imune.

“Todas as pessoas, incluindo aquelas que não são alérgicas, são afetadas, e o efeito é causado não apenas pelo pólen alergênico, mas também por outros tipos”, disse Aslog Dahl, pesquisadora da Universidade de Gotemburgo.

Os cientistas também descobriram que, sem lockdown, um aumento para 100 pólen/m3 resultou em um aumento médio de 4% nas taxas de infecção.

“O lockdown fez com que o efeito das partículas fosse reduzido pela metade quando níveis iguais de pólen foram comparados, mas ainda havia uma conexão significativa entre o conteúdo do pólen e o número de infecções”, explicou Dahl.

Ela acrescentou que uma maneira de se proteger contra o pólen no ar é usar a máscara FFP2 e aconselhou a não abrir janelas durante períodos com altas concentrações dos grãos no ar, acrescentando que todos devem agir como se tivessem alergia.

“Enxágue o cabelo quando chegar em casa, troque de roupa e lave fronhas e outras roupas de cama com frequência. Use aspirador de pó com frequência e não pendure roupas para secar ao ar livre. E tenha em mente que os animais de estimação que ficam do lado de fora podem levar pólen com eles para dentro de casa”, concluiu.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.