Mais de 10 mil estrelas pobres em metais são descobertas por astrônomos chineses

A descoberta pode ajudar os cientistas a saberem mais sobre a origem do universo e a evolução das estrelas

Astrônomos chineses descobriram mais de 10 mil possíveis estrelas pobres em metais, de acordo com publicação da Astrophysical Journal Supplement Series. Essa nova evidência poderá ajudar a esclarecer como se deu o início do universo e o surgimento das primeiras estrelas e galáxias.

Os astrônomos utilizam o termo “metais” para descrever elementos mais pesados que o hidrogênio e o hélio. Este conceito é diferente da definição física usual de um metal sólido, disse Li Haining, astrônoma dos Observatórios Astronômicos Nacionais da China (NAOC, na sigla em inglês) da Academia Chinesa de Ciências.

De acordo com os astrônomos, a maior parte dos elementos mais pesados que o hidrogênio e o hélio no universo são formados nos núcleos das estrelas à medida que evoluem. Com o passar do tempo, ventos estelares e supernovas depositam metais no ambiente circundante, enriquecendo o meio interestelar e fornecendo materiais recicláveis para o nascimento de novas estrelas. Isso significa que quanto menor o conteúdo de metais nas estrelas, mais antigas elas tendem a ser.

“A pesquisa sobre estrelas pobres em metais nos ajudará a entender a geração do universo, a origem dos elementos, bem como o surgimento e a evolução das estrelas e galáxias da primeira geração”, disse Li. “No entanto, as estrelas pobres em metais são muito raras e difíceis de observar”.

Com base nos dados do Telescópio Espectroscópico de Fibra de Objetos Múltiplos da Grande Área no Céu (LAMOST, na sigla em inglês), instalado no Observatório Xinglong do NAOC, na província de Hebei, os astrônomos descobriram mais de 10 mil possíveis estrelas pobres em metais com conteúdo menor que 1% do que existe no sol.

O LAMOST observou cerca de 4 mil corpos celestes simultaneamente e permitiu que os astrônomos chineses estabelecessem a maior base de dados do mundo de espectros estelares.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.