Realizando o sonho chinês: a história de um italiano morando em Pequim

Há oito anos no país asiático, Matteo Giovannini trabalha no Banco Industrial e Comercial da China

Matteo Giovannini e sua esposa tiraram um dia de folga no centro de Pequim em seu aniversário. O casal estava discutindo aonde ir para o feriado da “semana dourada” que se aproximava. Eles estavam tendo “dificuldades” para escolher entre Guangzhou ou Hangzhou. “Nós dois gostamos da culinária cantonesa, mas sempre quis ir a Hangzhou”, disse o italiano que mora na China há oito anos.

Giovannini não é estranho às vastas terras e às diversas culturas da China. Mas uma recente viagem à província de Hebei como participante do programa Diálogo Global de Jovens Líderes (GYLD) o impressionou muito. “A visita de Hebei representou uma ponte entre o passado, o presente e o futuro”, descreveu ele.

Então, ele decidiu se candidatar a uma bolsa do Instituto Confúcio. No verão de 2013,  se matriculou na Universidade Liaoning Normal e passou um ano estudando a língua e a cultura chinesa na cidade costeira de Dalian. Pouco depois, ele se matriculou na Escola de Negócios BiMBA da Faculdade Nacional de Desenvolvimento da Universidade de Peking. O programa reacendeu sua aspiração de trabalhar no setor de serviços financeiros.

Sua graduação em economia permitiu que ele se concentrasse em cursos de finanças e administração de empresas, o que o serviu bem mais tarde. Então, uma “oportunidade incrível” surgiu quando o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), um dos maiores bancos da China, estava recrutando talentos estrangeiros para promover sua estratégia de internacionalização.

A competição era acirrada, mas ele conseguiu e conquistou o emprego. Foi a segunda vez que as portas se abriram para ele na China, tudo antes de ele partir de volta para a Itália. Seis anos depois, Giovannini ainda trabalha para o ICBC, mas agora como gerente-financeiro sênior. Ele diz que passou a compreender melhor a diferença entre as culturas corporativas ocidental e chinesa.

Além do trabalho, a nível pessoal, também desenvolveu uma compreensão da cultura chinesa do ponto de vista familiar. Ele conheceu sua esposa natural de Pequim quando se encontraram em Wudaokou, área universitária da cidade, em 2016. Dois anos depois, se casaram.

Tendo estado na China por tanto tempo, Giovannini planeja solicitar uma autorização de residência permanente. Falando sobre toda a sua experiência, Giovannini diz: “Os italianos são viajantes que vão ao redor do mundo para fazer descobertas e entender diferentes culturas. Estou apenas seguindo os mesmos passos de Marco Polo e Matteo Ricci”. “Você tem que sair da sua zona de conforto”, acrescentou ele.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.