Vacina chinesa no Brasil atinge número mínimo de infectados

Próximo passo é analisar a eficácia do imunizante

A terceira e última fase de estudo do imunizante Coronavac, desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, alcançou o número necessário de voluntários infectados para ter sua eficiência avaliada. 

Dos 10.800 voluntários, 74 contraíram o novo coronavírus. Para que o estudo avance era necessário um número mínimo de 61 infectados.  Agora, será analisado se este grupo recebeu a vacina ou o placebo, o que permite aferir seu grau de eficácia. 

O Instituto Butantan, patrocinador da pesquisa no Brasil, espera que o Comitê Internacional Independente divulgue o resultado sobre a eficácia do imunizante na primeira semana de dezembro. A etapa seguinte é a aprovação pelos órgãos reguladores, no caso brasileiro, a Anvisa.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.