Um brasileiro de coração chinês

Chef gaúcho faz sucesso com churrasco brasileiro em restaurante de Pequim

Por Kang Caiqi, Wei Mingxin e Lucas Almeida

Natural de Constantina, no Rio Grande do Sul, Dinomar Drabach começou a carreira aos 19 anos, em 1988. Hoje, ele é chef do restaurante Latina, em Pequim, onde faz sucesso com o verdadeiro churrasco gaúcho. “Sempre digo para os meus clientes, quando eles me perguntam de onde sou. Eu falo: eu sou brasileiro de coração chinês”, define.

“É uma profissão que aprendi desde criança, com os meus pais”, relembra o chef. “Amo fazer churrasco e gosto de trabalhar com carnes. É uma especialidade do meu estado e minha”, explica.

Drabach se mudou para a China pela primeira vez em 1999. Depois de quase uma década, viajou para outros países, incluindo Estados Unidos e Japão. Ele é fluente em diversas línguas, incluindo inglês, espanhol, italiano, alemão, coreano e chinês.

Hoje, ele não tem dúvidas: “Nunca penso em ir embora, quero ficar aqui, pegar o meu greencard e viver pelo resto da vida na China. É um país seguro, tem tudo que eu adoro”, diz ele.

Para o chef, o sucesso do churrasco brasileiro está na autenticidade. “É o churrasco original, ele não tem muito tempero. A carne é o sabor, só com o sal”, define. O reconhecimento é comum entre os clientes chineses. “Eles já chegam e falam, eu quero uma picanha, em português, porque conhecem a qualidade e o churrasco brasileiro”, conta Drabach.

Além das carnes, o restaurante oferece uma experiência autêntica, com direito a músicas tradicionais e apresentações de samba. Entre o cardápio de bebidas, ainda é possível encontrar refrigerante de guaraná e caipirinha. “Agora nós temos açaí brasileiro. Sempre vamos incrementando mais coisas, importando para a China”, explica.

Depois de viver em diferentes cidades chinesas, Dinomar Drabach afirma que se encontrou em Pequim. “Aqui, o povo é acolhedor. Você chega em um ambiente e já sente, as pessoas são mais amigas”, explica.

O chef lembra que, no primeiro dia na capital, pediu informações para uma pessoa que não falava inglês, mas que fez questão de tentar ajudá-lo. “Senti que o povo gosta de estrangeiros em Pequim”, defende ele.

Com planos de abrir um novo restaurante em Pequim, Drabach comemora o sucesso que obteve com a profissão: “Eu falo que, em Pequim, os caras não são clientes, são amigos, porque já chegam aqui cumprimentando, felizes. Tenho muitos amigos que já me chamam pelo nome, amigos mesmo.”

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.