Tulous de Fujian

A habitação comunitária do povo hacá

O tulou costuma ser construído contra uma montanha, com um layout bem definido, que o torna quente no inverno e fresco no verão

O tulou de Fujian é um tipo de moradia rural chinesa única dos hacá, povos das áreas montanhosas do sudeste da Província de Fujian, na China. Geralmente uma construção grande e fechada, suas estruturas são feitas de terra compactada, misturada a pedra, bambu, madeira e outros materiais eventualmente disponíveis, formando uma grande edificação fortificada. Construídos principalmente pelos povos hacá de Fujian, costumam ser conhecidos como tulous hacás.

As construções em terra têm longa história, e sua emergência está intimamente associada às antigas migrações em larga escala em direção ao sul dos povos das Planícies Centrais. Esses povos do norte da China, pressionados por fatores como guerras, agitações sociais e desastres naturais, deslocaram-se para o sul em grande número, e muitos deles chegaram à atual província de Fujian.

Ao mesmo tempo que evitavam áreas mais propensas a conflitos, os povos das Planícies Centrais que foram para o sul trouxeram uma cultura avançada, que então integrou-se e passou a se desenvolver com a dos aborígenes locais, abrindo uma oportunidade para a prosperidade e desenvolvimento da região. Em termos de estrutura residencial, o tulou, com seu estilo arquitetônico único, foi o resultado gradual do conceito confuciano de uma grande família vivendo junto, e ao mesmo tempo atendia a necessidades de defesa. Se um inimigo armado ameaçasse os residentes de um tolou, desde que os jovens guardassem bem os portões, a construção de terra podia se tornar uma sólida fortaleza. A sua aparência grande, fechada e fortificada denotava uma forte capacidade defensiva. Como costumava ser ocupado por um grande clã familiar composto por várias gerações, o tulou formava uma sociedade independente dentro de um edifício, que compartilhava a boa e a má sorte.

De acordo com pesquisas e achados arqueológicos, pelo menos antes da dinastia Song do Norte (960-1127), uma forma relativamente madura de tulou já apareceu no condado de Yongding, província de Fujian. Na metade final da dinastia Ming (1368-1644), piratas e bandidos assolavam tanto as montanhas a sudoeste quanto as áreas do litoral de Fujian, e esse tipo de construção passou a ser amplamente usado. Na dinastia Qing (1644-1911) e na República da China (1912-1949), com o desenvolvimento da indústria de processamento, a economia e o comércio dessa região tiveram maior prosperidade. Os residentes locais, precisando proteger os interesses comuns de seus clãs e fortalecer sua capacidade de defesa, muitas vezes viviam em agrupamentos de dezenas ou centenas de pessoas em um mesmo grande clã familiar. O crescimento populacional promoveu o desenvolvimento das edificações de terra. Essa forma particular de tulou diversificou-se e tornou-se mais sofisticada, e a decoração chegou a integrar elementos chineses e ocidentais com diversas funções. Nesse período, o desenvolvimento do tulou de Fujian alcançou seu auge.

Um tulou no condado de Nanjing, província de Fujian

A estrutura das construções tulou varia, mas os formatos mais comuns são o circular, o semicírculo, o quadrado, o quadrangular e o pentagonal ou de pá. O espaço interno, delimitado por esguios elementos em madeira, é aberto para um pátio central. Os quartos padrão são abertos e levam em consideração o fator habitabilidade, que configura cada espaço independente de modo a prover um ambiente adequado à vida, refletindo também a harmonia entre o homem e a natureza.

Nos primeiros tempos o tolou costumava ser quadrado. Como os cantos das edificações quadradas de terra eram mais escuros, isto é, tinham menos ventilação e iluminação, os hacás projetaram uma edificação de terra mais otimizada, circular. Dos agrupamentos de tolous existentes, esse tipo é o mais atraente aos olhos, e os locais o chamam de “construções redondas” ou “aldeias redondas”.

A edificação redonda é erguida em volta de um centro circular, que se expande para fora de maneira espetacular em raios diferentes. A parte mais central é o recinto da família, rodeado pelo hall dos ancestrais e pela varanda, e o anel mais externo são áreas de convivência para as pessoas do clã familiar. Quer você olhe à distância ou bem de perto, o tulou é impressionante como uma massiva maravilha arquitetônica monolítica. Em geral o edifício redondo tem diâmetro de cerca de 50 m, com altura de três ou quatro andares, e é capaz de acomodar de 200 a 300 pessoas. Os edifícios redondos maiores chegam a ter 70 a 80 m de diâmetro, com altura de cinco ou seis andares, e podem acomodar de 700 a 800 pessoas. São edificações que traduzem os costumes tradicionais dos hacás.

O povo hacá já havia aderido a essas tradições culturais antes de se deslocar para o sul, adotando especialmente o confucionismo, a adoração dos ancestrais e o cuidado com a unidade familiar. Esse costume de viverem todos juntos como uma grande família reflete os fortes laços do sistema familiar étnico do povo hacá, e deriva também da cultura tradicional das Planícies Centrais. Entre as dezenas e centenas de pessoas vivendo na mesma casa, com relações de parentescos ditadas pelo clã, havia pais, irmãos, irmãs, tios, tias e cunhados e sogros. Um grande clã familiar que junte várias gerações sobre o mesmo teto terá, é claro, ancestrais comuns. Os mais idosos exerciam autoridade absoluta, e as pessoas que viviam dentro da mesma edificação compartilhavam suas posses. Portanto, a história de uma construção de terra pode ser vista como a história genealógica de um clã. Os descendentes de tulou muitas vezes conseguem contar a história da família sem consultar nenhuma genealogia.

Há cerca de 3 mil tulous de Fujian distribuídos principalmente pelo condado de Yongding em Longyan, pelo condado de Nanquim em Zhangzhou e pelo condado de Hua’an da província de Fjian. Localizado na aldeia Dadi do condado de Hua’an, o tulou Eryi Lou, conhecido como o “Rei dos tulous” e como um “Tesouro Nacional”, é um destacado representante do antigo tulou circular da China. Como bem preservada e protegida relíquia cultural-chave do país, é famoso por seu grande porte. Em 6 de julho de 2018, os sítios tulou de Fujian foram acrescentados ao Patrimônio Mundial da Unesco.

O tulou hacá de Fujian é considerado uma joia da civilização oriental, um estilo único e incrível de edificação residencial rural no mundo, e um dos destaques da arquitetura chinesa antiga. Ele se destaca no âmbito dos projetos arquitetônicos residenciais por sua longa história, seu estilo singular, o grande porte e a sua estranha presença estrutural.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.