“Sol artificial chinês” bate novo recorde mundial

Resultado do experimento mostra avanço em reator de fusão

Cientistas chineses estabeleceram um novo recorde mundial ao alcançarem uma temperatura plasmática de 120 milhões de graus Celsius durante 101 segundos em um experimento na sexta-feira, um passo fundamental em direção a operação experimental de um reator de fusão.

O avanço foi anunciado por Gong Xianzu, pesquisador do Instituto de Física Plasmática da Academia Chinesa de Ciências (ASIPP), responsável pelo experimento realizado em Hefei, capital da Província de Anhui, no leste da China.

O teste no Tokamak Supercondutor Avançado Experimental (EAST, na sigla em inglês), ou o “sol artificial chinês”, também chegou uma temperatura plasmática de 160 milhões de graus Celsius, com duração de 20 segundos.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.