Reuniões com funcionários do Talibã afegão aumentam entendimento mútuo, diz chanceler chinês

Wang Yi se encontrou com o vice-primeiro-ministro, Mullah Abdul Ghani Baradar, e com o ministro das Relações Exteriores, Amir Khan Muttaqi

O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse na terça-feira que as reuniões recém-concluídas com altos funcionários do governo interino do Talibã afegão são “benéficas”, pois aumentaram o entendimento mútuo.

Informando aos repórteres sobre suas reuniões em Doha, capital do Catar, com o vice-primeiro-ministro interino, Mullah Abdul Ghani Baradar, e com o ministro das Relações Exteriores em exercício, Amir Khan Muttaqi, Wang disse que ouviu declarações mais positivas dos oficiais sobre as políticas domésticas e estrangeiras.

Os funcionários apresentaram em detalhes as políticas do governo para aumentar a abrangência do regime do Talibã, proteger os direitos e interesses legítimos das mulheres e crianças e combater o terrorismo, que preocupa a China e a comunidade internacional, revelou Wang. “Também nos comunicamos sobre os intercâmbios bilaterais e decidimos estabelecer um mecanismo de trabalho. Deve ser dito que esses contatos são benéficos e aumentaram o entendimento mútuo”, disse.

Wang observou que, como a situação no Afeganistão está passando por um grande ponto de inflexão, a China apresentou primeiramente quatro expectativas para o futuro do Afeganistão, que se tornaram “consenso entre a comunidade internacional”.

As expectativas chinesas incluem: construir uma estrutura política mais aberta e inclusiva na qual todos os grupos étnicos e facções devem participar e ter um papel; implementar políticas internas e externas moderadas e estáveis, incluindo a proteção dos direitos e interesses legítimos das mulheres e crianças; romper claramente com todas as forças terroristas e tomar medidas para combatê-las resolutamente; buscar uma política externa pacífica e conviver em harmonia com outros países, especialmente com os vizinhos.

“A chave é como alcançar isso”, disse Wang, acrescentando que a China sustenta que a comunidade internacional deve manter uma atitude de igual respeito, comunicar-se com todas as partes e grupos étnicos no Afeganistão e fornecer “orientação ativa” para alcançar esses objetivos. “Não aprovamos o exercício cego de pressão e somos ainda mais contra ameaças com sanções”, assinalou Wang.

A história do Afeganistão e muitos eventos internacionais provam que apontar o dedo para uma nação independente muitas vezes acaba sendo contraproducente, observou Wang, acrescentando que interferir nos assuntos internos de um país constantemente viola as normas básicas das relações internacionais.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.