Relação bilateral China-Brasil: Como administrar um “casamento inevitável” perante a pandemia de COVID-19?

Nos últimos dez anos, a China se tornou a fonte de investimento mais importante do Brasil

Por Zhou Zhiwei, pesquisador do Instituto Latino-Americano da Academia Chinesa de Ciências Sociais e diretor executivo do Centro de Pesquisa do Brasil

Desde 2020, ocorreram alguns episódios incomuns nas relações bilaterais China-Brasil. Um pequeno número de pessoas no governo brasileiro realizou observações não tão amigáveis em relação à China. No entanto, com os esforços de ambos os países, esses episódios não mudaram a tendência geral da cooperação bilateral, e as relações bilaterais entre a China e o Brasil permaneceram no caminho frutífero.

Na última semana de abril, dois sinais positivos surgiram nas relações sino-brasileiras, o que também evidenciou a vontade e a determinação do Brasil em cooperar com a China. O primeiro sinal positivo foi que o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, comparou a relação China-Brasil a “um casamento inevitável”, quando falou sobre a futura cooperação da Embraer com a China.

Essa metáfora resume vivamente a base, a motivação e as expectativas da cooperação entre a China e o Brasil. Sem uma base sólida de “sentimentos”, como pode haver um casamento natural? Sem que haja uma motivação apaixonada um pelo outro, como pode haver um casamento duradouro? Sem uma boa expectativa de vida futura, como pode haver um casamento duradouro? A palavra “inevitável” enfatizada por Mourão reflete apenas a realidade de que China e o Brasil são “inseparáveis”.

De fato, desde o início do novo século, a cooperação China-Brasil alcançou uma série de avanços que atraíram a atenção da comunidade internacional: em 2009, a China se tornou o maior parceiro comercial do Brasil; em 2012, as relações bilaterais foram atualizadas para uma parceria estratégica global; em 2018, o volume do comércio bilateral entre a China e o Brasil excedeu 100 bilhões de dólares, fazendo com que o Brasil se tornasse o primeiro país da América Latina a atingir esse volume comercial.

Nos últimos dez anos, o superávit comercial do Brasil com a China representou cerca de 40% do superávit total do comércio exterior do Brasil. Ao mesmo tempo, a China se tornou a fonte de investimento mais importante do Brasil.

Obviamente, a cooperação econômica e comercial entre os dois países deu um impulso valioso ao desenvolvimento econômico e social do Brasil. É extremamente importante que a cooperação no campo da alta tecnologia também tenha alcançado avanços significativos.

Desde os anos de 1980, a cooperação aeroespacial entre os dois países por mais de 30 anos deram frutos, e os dois lados desenvolveram e lançaram em conjunto seis satélites de recursos terrestres (CBERS) para fornecer ao governo brasileiro meios de alta tecnologia para monitorar a floresta amazônica e as mudanças ambientais nacionais.

A cooperação do CBERS é um exemplo bem-sucedido de cooperação no campo aeroespacial nos países em desenvolvimento, quebrando o monopólio dos países desenvolvidos na tecnologia de sensoriamento remoto, e é aclamado pelos líderes de ambos os lados como um modelo de cooperação Sul-Sul no campo da alta tecnologia.

Evidentemente, a Embraer mencionada por Mourão também tem estreita cooperação com a China. No final de maio de 2000, foi estabelecido em Beijing o escritório de representação da Embraer para entrar formalmente no mercado chinês.

Em janeiro de 2003, a Embraer, juntamente com a Corporação da Indústria de Aviação da China (AVIC, na sigla inglesa) e sua subsidiária Harbin Aircraft Industry Group Co., Ltd., investiram em conjunto no estabelecimento da Harbin Embraer Aircraft Industry Co., Ltd. (HEAI) para produzir aeronaves a jato ERJ145 de 50 assentos na China.

Até o final de maio de 2019, a joint venture Harbin Embraer entregou um total de 41 jatos ERJ145 e 5 jatos executivos Legacy 650 ao mercado chinês.

Atualmente, a China está desenvolvendo aeronaves civis, mas isso não causará transtornos à cooperação na aviação entre a China e o Brasil. Como afirmou Mourão, o Brasil tem tecnologia e a China tem demanda. O mais importante é como corrigir essa relação de oferta e demanda. A esse respeito, podemos aprender com a cooperação China-Brasil no campo aeroespacial.

A segunda notícia positiva foi a Reunião Extraordinária dos Ministros das Relações Exteriores do BRICS a respeito do surto da pandemia de Covid-19. Esta é a primeira reunião de coordenação do BRICS sobre a epidemia, cujas palavras-chaves foram duas: multilateralismo e solidariedade.

Em particular, a Reunião dos Ministros das Relações Exteriores enfatizou que os países do BRICS devem aderir ao multilateralismo, fortalecer a solidariedade e a cooperação, compartilhar informações e realizar intercâmbios sobre surtos, conduzir pesquisas sobre drogas e vacinas e cooperação para o desenvolvimento, responder com mais eficácia a epidemias, manter a segurança da saúde pública mundial e se esforçar para mitigar os efeitos negativos do surto.

Objetivamente, a vídeo-conferência enviou um sinal positivo dos cinco países para fortalecer a unidade e a cooperação e combater a epidemia em conjunto, o que é de grande importância.

Foi comunicada também a diferença de conscientização entre os países membros do BRICS em relação à epidemia, o que inclui a recente politização e estigmatização da epidemia por membros individuais do gabinete brasileiro.

De fato, a fonte da epidemia é uma questão que precisa ser cientificamente comprovada: qualquer definição superficial é irresponsável, além de ser um desrespeito aos outros países, e o respeito mútuo é o critério básico de qualquer relacionamento internacional.

Além disso, a China sempre se comprometeu com a cooperação global no combate às epidemias e no compartilhamento da experiência da China, sendo o ponto de partida baseado no espírito humanitário, sem considerações ideológicas e sem a busca de interesses privados geopolíticos.

De fato, qualquer país tem o direito de escolher parceiros, mas qualquer cooperação não deve ser construída com base em danos a países terceiros, porque o momento atual se difere muito do período da Guerra Fria, mesmo a China abandonou o pensamento do jogo com soma zero e tem realizada uma cooperação mutuamente benéfica com todos os países do mundo.

Os fatos provaram que a reforma e o pensamento pragmático da China alcançaram bons resultados. Diante da epidemia no Brasil, a China nunca esqueceu de auxiliar, implantar ativamente recursos médicos para apoiar o Brasil e se esforçar para coordenar o intercâmbio on-line entre especialistas de ambos os países.

As empresas chinesas e os chineses estrangeiros no Brasil participaram ativamente do processo de combate à epidemia em demonstração de amor ao Brasil, e seu trabalho e dedicação devem ser respeitados pelo Brasil.

O Brasil é um país que ama a paz e mantém um relacionamento harmonioso com os países vizinhos da América do Sul. Essa também é uma característica importante da diplomacia brasileira. Pode até ser considerado “poder brando”. O Brasil também foi altamente reconhecido pela comunidade internacional por isso. Como diz o ditado: “Um amigo na necessidade é um amigo de verdade”.

Essa crise global de saúde pública prova completamente que, no mundo global em que todos vivemos, o relacionamento entre os países é realmente o mesmo que o de vizinhos. O núcleo do relacionamento com o vizinho é o respeito mútuo, consideração de interesses e a solidariedade mútua.

Talvez essa epidemia seja um teste importante das relações sino-brasileiras, mas escolho ter expectativas mais positivas e que se assemelham com a fala do vice-presidente Mourão: como um casamento inevitável, a melhor maneira para mantê-lo depende de haver o amor recíproco e o zelo.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.