Reencarnação do Dalai Lama é sujeita à aprovação do governo central, explica livro branco

Documento divulgado na última semana explica decreto da Dinastia Qing

A reencarnação do Dalai Lama e outros grandes budas vivos tem estado sujeita à aprovação pelo governo central desde a Dinastia Qing (1644-1911), disse um livro branco emitido pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado na sexta-feira.

Em 1793, depois de dispersar os invasores de Gurkha, o governo Qing restaurou a ordem no Tibet e promulgou a Ordenação Imperialmente Aprovada para a Melhor Governança do Tibet (a Ordenação de 29 artigos), disse o livro branco intitulado “Tibet desde 1951: Libertação, Desenvolvimento e Prosperidade”.

O decreto estipulou que a reencarnação do Dalai Lama e outros grandes budas vivos tem de seguir o procedimento de “sorteio da urna de ouro” e que o candidato selecionado seria sujeito à aprovação pelo governo central da China.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.