Promoção do cigarro eletrônico pode trazer riscos à saúde

Especialistas chineses pedem uma regulamentação mais rigorosa em cima da indústria do cigarro eletrônico

Ativistas e especialistas no controle do tabaco da China vêm manifestando preocupação com a publicidade de cigarros eletrônicos e pedem que a indústria tenha uma regulamentação mais rigorosa, reportou o jornal China Youth Daily. “Aproveitando-se das chances do mercado para substituir o cigarro real, a publicidade de cigarros eletrônicos só torna mais difícil para as pessoas abandonarem esse estilo de vida prejudicial”, disse Zhang Jianshu, presidente da Associação de Controle do Tabaco de Pequim.

Com base em uma hipótese não comprovada que o vape (cigarro eletrônico) é mais seguro que o cigarro tradicional, a publicidade vem atrelando o seu papel na ajuda de fazer fumantes deixarem de fumar para promover o uso de cigarros eletrônicos, pelo que diz um relatório sobre a indústria de cigarros eletrônicos da Universidade Tsinghua. Zhang sugere que o público recuse o vape assim como recusa o fumo tradicional.

Segundo o relatório, 95% dos varejistas online usam uma retórica de marketing que associa o vape a uma maneira saudável e limpa de fumar, e 89% dos vendedores de vape destacam os seus “benefícios à saúde”. Ao citar uma pesquisa feita com 3.587 consumidores de diversos países, o documento mostra que 84% das pessoas acham que o vape é mais seguro que o cigarro tradicional e 77% acreditam que ele pode ajudar as pessoas a parar de fumar.

O Relatório sobre a Epidemia Global do Tabaco 2019, feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que não há evidências para uma avaliação quantitativa do impacto dos cigarros eletrônicos na saúde ou na ajuda que o vape pode dar às pessoas que querem parar de fumar.

Zheng Rong, professor da Faculdade de Comércio e Economia Internacional da Universidade de Negócios e Economia Internacionais, disse que os pesquisadores e reguladores podem não ser capazes de acompanhar a evolução dos cigarros eletrônicos, que contêm ingredientes químicos complexos e adotam novos sabores. “Uma coisa que temos certeza é que eles resultam em um certo nível de vício”, enfatizou ele.

A OMS ainda observou que cada vez mais evidências mostraram que os jovens que usam o vape têm maior probabilidade de fumar no futuro. Assim como Zhang, Liu Shuangzhou, professor da Universidade Central de Finanças e Economia, defendeu regulamentos mais rígidos sobre os anúncios do vape, alegando que o marketing de cigarros eletrônicos inevitavelmente traz de volta os cigarros em espaços públicos e afeta o efeito da proibição de anúncios de cigarros.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.