Pesquisadores começam a plantar sementes que viajaram para o espaço

Cientistas usarão 12 mil sementes que ficaram em órbita por seis meses na nave espacial tripulada Shenzhou-13

Créditos: Xinhua/Ren Junchuan

Pesquisadores chineses iniciaram experimentos de reprodução de 12 mil sementes que estavam dentro da nave espacial tripulada Shenzhou-13, no espaço por seis meses.

As sementes, incluindo alfafa, aveia e fungos, foram selecionadas por várias instituições de pesquisa no ano passado, e foram trazidas de volta à Terra pela Shenzhou-13 em 16 de abril.

A reprodução espacial  é o nome dado ao processo de exposição de sementes à radiação cósmica e à microgravidade durante uma missão de voo espacial para modificar genes de sementes e depois enviá-las de volta à Terra para gerar novas espécies.

Os testes de reprodução espacial foram realizados em todas as missões de voo durante a fase de verificação tecnológica essencial do projeto da estação chinesa. Milhares de sementes de culturas e microrganismos de 88 organizações foram levados para e devolvidos à Terra pela Shenzhou-12 e pela Shenzhou-13.

Pesquisadores da M-Grass, uma empresa de tecnologia na Região Autônoma da Mongólia Interior, no norte da China, realizaram experimentos em seis cepas de grama a bordo da Shenzhou-13. Trata-se da segunda vez que a empresa envia sementes para o espaço, após o retorno das mutações de espécie de grama com a sonda lunar Chang’e-5 em 2020.

Após mais seleções e plantios, variedades de sementes superiores serão usadas para restauração ecológica e construção de paisagens urbanas, revelou Liu Siyang, pesquisador sênior da empresa.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.