Perguntas frequentes sobre a dinâmica de zero-Covid da China

Epidemiologista do Centro de Controle e Prevenção de Doenças responde às principais dúvidas sobre a política

Créditos: Xinhua/Jin Liwang

Qual é o objetivo da política dinâmica de zero-COVID da China? Quais são as considerações do país por trás da política? Na segunda-feira, Wu Zunyou, epidemiologista-chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, desmentiu algumas das percepções errôneas mais populares sobre a política em um artigo. A seguir estão algumas das principais mensagens do texto:

A China pretende ficar “livre de infecção” mediante adoção da política?

Não. O objetivo da política não é eliminar infecções em todo o país, mas conter surtos esporádicos o mais cedo possível, disse Wu. De acordo com a política, a contenção bem-sucedida do vírus não significa ter todas as infecções “zeradas”. Em vez disso, a contenção pode ser considerada bem-sucedida quando todas as novas infecções do surto forem encontradas nos limites das áreas em quarentena.

Os bloqueios em toda a cidade são inevitáveis na prossecução da política?

Não. Não há razão para praticar bloqueios em toda a cidade, desde que os pacientes e contatos próximos sejam identificados e colocados em quarentena nos estágios iniciais dos surtos, disse Wu no artigo. No entanto, caso um surto esporádico seja descoberto tarde com muitas infecções já existentes, os bloqueios são necessários para reduzir a propagação do vírus e limitar os impactos da epidemia.

O mesmo se aplica aos testes de ácido nucleico em massa. Não há necessidade de testes em massa, pois os contatos próximos são facilmente identificados, pois o vírus pode ser rastreado no estágio inicial do surto.

A adoção da política compromete a economia?

O efeito da política na economia depende do momento de sua implementação e da situação pandêmica. Mas, no geral, é uma política contra a pandemia que garante o desenvolvimento econômico, disse Wu.

Se as medidas incluídas na política forem adotadas nos estágios iniciais de uma epidemia, elas não prejudicarão a economia.

Medidas como quarentena em massa e testes de ácido nucleico afetarão de fato a economia, mas, a longo prazo, a política dinâmica de zero-Covid é mais prática, pois seus efeitos adversos no PIB local são muito menores do que os impactos de uma estratégia passiva de controle epidêmico.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.