Pequim sedia conferência de estudos dos países de língua portuguesa

O evento teve como temas a Iniciativa Cinturão e Rota, os 40 anos de reforma e abertura e o 15° aniversário do Fórum de Macau

Pequim recebeu na última semana a segunda edição da Conferência Anual de Estudos Conjuntos dos Países de Língua Portuguesa. O evento teve seu tema dividido em três partes: a Iniciativa Cinturão e Rota como oportunidade histórica para os países lusófonos; o 40° aniversário da reforma e abertura, que traz nova tendência de desenvolvimento para os países de língua portuguesa (PLP) e o 15° aniversário do Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os PLP (Fórum de Macau).

O embaixador angolano na China, João Salvador Neto, diz que o país asiático sempre foi um parceiro econômico e comercial da Angola e que o desenvolvimento econômico do país africano precisa do apoio chinês. Ele ainda destaca que a reforma e abertura oferece mais experiências para o desenvolvimento do país e que a Iniciativa Cinturão e Rota fornece uma referência para construir uma nova relação internacional.

Isabel Domingos, embaixadora da República Democrática de São Tomé e Príncipe, elogiou as realizações da reforma e abertura da China e salientou que a China e os países de língua portuguesa devem aumentar a confiança mútua e promover o comércio e investimento com uma atitude sincera.

Os convidados também discutiram a função do Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os PLP, que foi criado em 2003. Kang Wen, subdiretora do Departamento dos Assuntos de Taiwan, Hong Kong e Macau do Ministério do Comércio da China, afirmou que graças ao fórum, o volume de comércio é dez vezes maior que há quinze anos e que o investimento dos PLP na China atingiu US$ 1 bilhão nesse período.

“Desde seu estabelecimento, o Fórum de Macau se tornou uma plataforma para enriquecer as cooperações comerciais entre a China e os países de língua portuguesa. A Região Administrativa Especial de Macau deve aproveitar suas vantagens para contribuir como uma ponte entre a China e os países lusófonos”, destacou ela. A embaixadora da República de Cabo Verde, Tânia Romualdo, também apontou que o Fórum de Macau é uma conexão chave para promover a cooperação e os intercâmbios entre os dois países.

Organizado pelo Centro Chinês de Estudos dos Países de Língua Portuguesa da Universidade de Economia e Negócios Internacionais, em parceria com o Instituto Internacional de Macau e o Instituto Brasileiro de Estudos da China e Ásia-Pacífico, o evento contou com diretores dos organismos governamentais da China, embaixadores e conselheiros dos países de língua portuguesa, especialistas e pesquisadores oriundos do Brasil e de Macau.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.