Pequim proibirá embalagens plásticas não degradáveis em pontos de entrega

Capital restringiu uso do material em setores, como bufê, vendas no atacado e no varejo

Créditos: Xinhua/Ren Chao

Pequim  proibirá o uso de embalagens plásticas não degradáveis nos pontos de entrega expressa até o final do ano, em meio aos esforços da China para controlar a poluição, disseram as autoridades locais, na quinta-feira.

Os locais também serão proibidos de usar sacos de tecido plásticos descartáveis, de acordo com a Comissão Municipal de Desenvolvimento e Reforma. Até o final de 2022, as waybills digitais, fitas de embalagem mais estreitas de 45 mm e sacos recicláveis cobrirão basicamente todo o setor de correios da cidade.

Pequim lançou medidas para restringir ou mesmo proibir o uso de produtos plásticos em outras indústrias-chave que envolvem bufê, entrega de alimentos, vendas no atacado e no varejo.

De acordo com estatísticas, as lojas dos principais supermercados da cidade, incluindo Jingkelong, CSF Market, Walmart e Carrefour, viram as vendas de sacolas plásticas caírem 37%, ou 23 milhões, em 2021 em relação ao ano anterior.

Até 2025, o país espera controlar efetivamente a poluição plástica, reduzir substancialmente a quantidade de resíduos nos aterros sanitários das grandes cidades, estabelecer um sistema completo de gestão de plásticos e avançar no desenvolvimento de produtos alternativos, de acordo com o plano.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.