Pais chineses concordam com educação rigorosa para seus filhos

Em pesquisa divulgada pelo Diário dos Jovens da China, 90% dos pais acreditam que é natural que os professores punam os alunos que cometem infrações durante a aula

Cerca de 90% dos pais de alunos de escolas primárias e secundárias da China afirmam considerar natural que os professores punam os alunos que cometem infrações, pelo     que mostra uma pesquisa divulgada pelo Diário dos Jovens da China. Entre os mais de 2 mil entrevistados, 78,1% dos que são pais de alunos do primário ou secundário dizem que é ruim para os estudantes se os professores hesitarem em puni-los, uma vez que dessa forma, as suas más condutas não serão corrigidas a tempo.

Entre os pais, 72,9% disseram que é comum que os professores hesitem em punir seus alunos hoje em dia, uma vez que os pais tendem a ter uma postura protetora, além da questão de confiança; Yang Xiong, diretor do Instituto de Pesquisa de Jovens subordinado à Academia de Ciências Sociais de Xangai, disse que a dificuldade ao definir as punições apropriadas para prevenir agressões físicas é outro fator que torna o problema ainda mais complexo.

Para os participantes da pesquisa, as punições mais aceitáveis pelo professor incluem expor o aluno pelo nome e pelo erro que cometeu e exercer autorreflexão quando ordenado a ficar de pé por um certo período de tempo. Já as punições inaceitáveis incluem insultos e espancamentos.

O Ministério da Educação da China emitiu em novembro uma nova regulamentação para dar aos professores das escolas primárias e secundárias mais autonomia para punir os alunos com o objetivo de melhorar o rendimento no aprendizado.

Ainda em processo de solicitação de opiniões públicas, a regulamentação lista as punições acessíveis para os professores em três categorias com base no nível de severidade da infração, como a exposição do aluno por seu nome e contravenção. O período em que o aluno deve ser forçado a ficar de pé não pode durar mais que o tempo de uma aula, e a suspensão não deve exceder uma semana.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.