O boom dos veículos de novas energias

A China está no top do ranking global de carros elétricos

Numa aposta para incentivar o transporte verde, a China implementou uma série de programas para impulsionar o mercado dos veículos de novas energias, ou VNEs, a partir de 2010. Existem hoje subsídios do governo para aquisição de VNEs e, em algumas cidades, os VNEs, por sorteio, são isentos de licenciamento ou das restrições de trânsito destinadas a aliviar os congestionamentos. Nos últimos anos, incentivado por políticas favoráveis, o setor de VNEs da China tem feito progressos gigantescos e contínuos. Segundo o Índice E-mobility, um lançamento conjunto da consultoria alemã Roland Berger e do instituto de estudos do automóvel Forschungsgesellschaft Kraftfahrwesen mbH Aachen, a China pela primeira vez alcançou no segundo trimestre de 2017 o top ranking no índice global de desenvolvimento de veículos elétricos.

A Jiangling Motors Co., na Província de Jiangxi, é uma das empresas que contribui para isso. No momento, o grupo produz 30 mil VNEs por ano. Surgiram também várias companhias chinesas fabricantes de materiais, componentes-chave e instalações de recarga para VNEs. Estima-se que em 2025 a capacidade anual de fabricação de VNEs na Província de Jiangxi irá alcançar um milhão de veículos e que a receita  gerada pelo setor chegará nessa data a cerca de 100 bilhões de yuans por ano.

Operários da Jiangling Motors testam o sistema de iluminação de um VNE.

Atração de talentos

No último mês de agosto, dez especialistas de várias áreas receberam cartas de indicação do prefeito de Nanchang, a capital provincial. A Companhia de Veículos de Novas Energias do Grupo Jiangling está entre as empresas locais que se beneficiaram desses profissionais extras.

Liu Junyu tem trinta e poucos anos e é gerente do centro experimental de bateria, motor e unidade de controle eletrônico do Grupo Jiangling. Depois de concluir mestrado em engenharia eletromecânica e novas energias na França, voltou à sua cidade natal, Nanchang, onde a Jiangling é um nome familiar. Ele ingressou na companhia para liderar uma equipe de jovens engenheiros responsáveis pelo desenvolvimento de tecnologias de VNEs.

“Comecei a me interessar por VNEs ainda na faculdade”, lembra Liu. “Ao concluir a pós-graduação, solicitei um cargo na Jiangling assim que abriram vagas.”

Fundada em janeiro de 2015, a Companhia de Veículos de Novas Energias do Grupo Jiangling encara os novos talentos como um ativo valioso e incentiva-os a dar livre expressão à sua engenhosidade. Liu elogia essa filosofia, e indica seus colegas de estudos na França à companhia. “A plataforma avançada construída pela companhia motiva todos nós a dar o melhor no nosso trabalho, já que confiamos nessa carreira promissora”, disse ele.

Todo ano, em outubro, o Grupo Jiang-ling faz uma grande convenção para premiar as equipes que se destacaram em avanços tecnológicos – uma maneira de estimular a inovação. Segundo Qiu Tiangao, presidente do Grupo Jiangling, a companhia investe na montagem de uma equipe de profissionais especializados em inovações tecnológicas. A ideia é descobrir, apoiar e atrair mais talentos, reunindo especialistas com conhecimento profundo e percepção clara das tendências de desenvolvimento tecnológico.

Inovação, uma base sólida 

A criação do centro experimental de bateria, motor e unidade de controle eletrônico em abril de 2016 foi um marco no desenvolvimento da inovação na Companhia de VNEs do Grupo Jiangling. Como membro do grupo fundador, Liu Junyu trabalhou duro para resolver diversos problemas relativos ao estabelecimento de critérios técnicos, já que se tratava de algo novo na China. Ele consultou uma série de trabalhos de pesquisa internacionais e fez a equipe realizar vários testes, a fim de criar um conjunto de padrões. Além disso, deu início a um projeto de pesquisa sobre controladores de motores e já obteve substanciais progressos.

A maior diferença entre os VNEs e os carros convencionais é o conjunto de bateria, motor e unidade de controle eletrônico. “O próprio centro experimental já é uma inovação”, disse Liu. “É o único do tipo em Jiangxi e um dos poucos desse grande porte no país.” Liu revelou que foram investidos dezenas de milhões de yuans para apoiar a pesquisa e desenvolvimento desse centro experimental.

Recentemente o Grupo Jiangling recebeu aprovação da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China para lançar um programa que elevará sua capacidade de produção para 50 mil carros totalmente elétricos por ano, colocando-a no primeiro grupo de companhias domésticas qualificadas para a produção independente de VNEs. Além da tecnologia, a companhia também investe em normas e métodos. “Por exemplo, estou trabalhando na adaptação de um conjunto de padrões alemães à nossa companhia e à China”, declarou Liu Junyu.

Liu Nianfeng, membro da diretoria do Grupo Jiangling e gerente-geral da Companhia de VNEs do grupo, observou que a expectativa é que as técnicas e recursos de última geração, em vários setores, venham melhorar os carros totalmente elétricos tornando-os mais populares. Além disso, o Grupo Jiangling esforça-se para desempenhar um papel de liderança na promoção do transporte verde e na melhoria da qualidade de vida, por meio do desenvolvimento dos VNEs e da adoção de tecnologias avançadas e conceitos inovadores, por preços mais acessíveis.

Linha de montagem da Companhia de Veículos de Novas Energias do Grupo Jiangling.

Futuro brilhante

O Índice E-mobility mencionado indica que a fatia de mercado para carros elétricos e para a produção de baterias na China continuará crescendo, apesar da redução dos subsídios do governo. Na realidade, o país vem reduzindo a concessão de subsídios para os VNEs a uma taxa de 20% ao ano. Mas mesmo com o fim dos subsídios por volta de 2020, o setor continuará prosperando.

O rápido desenvolvimento da cadeia industrial de VNEs permitiu uma redução abrangente dos custos. Tomando como exemplo as baterias – um componente essencial –, antes seu custo equivalia a mais da metade de um VNE. Hoje, com os subsídios do governo e o consequente crescimento no número e na capacidade de produção das fábricas de baterias, o custo da bateria sofreu sensível redução.

O peso mais leve do veículo também reduz os custos. Liu Junyu explicou que um carro de 1,5 ton usa 20 kWh de eletricidade para percorrer 150 km. Mas quando o peso diminui para uma t, há uma economia de 5 kWh de eletricidade e uma redução de 10% do custo total para percorrer a mesma distância. “A segurança, porém, é sempre a prioridade máxima”, disse Liu. “Não importa quais sejam os materiais usados para reduzir o peso do corpo do carro – alumínio, fibra de carbono ou materiais compostos –, eles devem atender aos padrões nacionais para segurança em colisões.”

Com preços entre 40 mil e 60 mil yuans, os VNEs da Série E da Jiangling visam uma ampla faixa de mercado. “Além disso, lançamos a Série Q para clientes das faixas de renda média e alta”, disse Liu Junyu. Em certa medida, a Série Q é comparável a alguns VNEs produzidos no mercado exterior.

Liu Junyu está confiante no futuro da Indústria de VNEs na China. Ele observou que as vendas de carros têm tido forte crescimento nas cidades de pequeno e médio portes do país. “Um VNE em geral custa menos de 0,05 yuan por quilômetro, enquanto um automóvel a gasolina custa 0,5 yuan por km”, disse Liu. “Além disso, um carro a gasolina exige manutenção regular de motor, câmbio, filtro de combustível e assim por diante. Assim, um VNE poupa ainda mais dinheiro devido à baixa manutenção.” Portanto, Liu acredita que vários mercados na China irão acolher os VNEs.

Os VNEs produzidos na China já firmaram uma reputação global. Por exemplo, outro grande fabricante de veículos da Província de Jiangxi, a CHTC Bonluck Bus Co., é o primeiro fabricante chinês a exportar ônibus e veículos escolares para países desenvolvidos. A Companhia de VNEs do Grupo Jiangling e a CHTC Bonluck Co. respondem por 80% do mercado de VNEs na Província de Jiangxi.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.