Mais de 18 milhões de moradores de Guangxi, na China, foram tirados da pobreza

Nas últimas quatro décadas a taxa de pobreza rural na região autônoma foi de 70% para 5,7%

Já se passaram 40 anos desde o início da reforma e abertura da China, e mais de 18 milhões de moradores rurais foram tirados da pobreza só na Região Autônoma da Etnia Zhuang de Guangxi. Em dezembro fim de 2017 haviam 2,67 milhões de pessoas vivendo na pobreza, 21 milhões de pessoas a menos do que em 1978.

Huang Weijing, secretário-geral do Comitê Regional de Guangxi do Partido Comunista da China (PCCh), afirmou que a taxa de pobreza rural da região caiu de 70% para 5,7% durante essas quatro décadas. Ele ainda disse que a melhora da infraestrutura foi um dos destaques da campanha antipobreza de Guangxi, sendo que a região opera 1.771 km de ferrovias de alta velocidade e que 91% dos seus distritos têm acesso a vias expressas.

A população da região autônoma é formada majoritariamente pelos Zhuang, a minoria étnica mais populosa da China, além de também ser lar de outras minorias. Ela tem sido uma frente importante na batalha da China contra a pobreza, sendo que o governo central do país visa erradicar a miséria até 2020. No país asiático, a linha de pobreza é de 2.300 yuans (US$ 335) por ano.

Segundo o secretário-geral, o PIB da região chegou a 2 trilhões de yuans em 2017, sendo quase dez vezes maior do que em 1958, quando a região foi oficialmente criada e impulsionada por indústrias prósperas, como de processamento de alimentos, máquinas e informações eletrônicas.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.