Laboratório espacial chinês é equipado com painéis solares enormes e flexíveis

Tecnologias possuem mais de mais de 55 metros de comprimento

Créditos: Xinhua/GuoZhongzheng

A Agência Espacial Tripulada da China (CMSA) revelou que o primeiro módulo de laboratório da estação espacial chinesa usa energia gerada por um “par de asas”, composto por enormes matrizes solares flexíveis.

O módulo Wentian, uma estrutura do tamanho de um vagão de metrô de Pequim, foi lançado ao espaço e mais tarde ancorado com a combinação da estação espacial da China em julho, tornando-se a nave mais pesada de uma única cabine em serviço na órbita.

A CMSA forneceu, nesta segunda-feira, fichas técnicas das enormes matrizes solares na plataforma de experimentos espaciais, com vários armários e mais de 40 projetos de pesquisa aprovados.

Wentian tem uma envergadura de painel solar de mais de 55 metros. Uma única asa se espalha para cerca de 110 metros quadrados, tornando a área total expandida duas vezes maior que o módulo central Tianhe, no qual Wentian foi ancorado.

Para enviar ao espaço um módulo com asas solares tão largas que podem perturbar o acoplamento através da auto-oscilação, os engenheiros chineses recorreram a uma solução de desdobramento de duas vezes.

Durante o lançamento, as asas solares flexíveis foram dobradas pela primeira vez firmemente como uma sanfona fechada. Cada painel tem menos de um milímetro de espessura, reduzindo assim o volume das matrizes dobradas para apenas 20% do volume dos painéis solares tradicionais.

O módulo foi então manobrado para criar uma envergadura de 6,5 metros antes de estender-se ao seu comprimento total após o acoplamento.

Os painéis solares montados nos módulos Tianhe, Wentian e Mengtian (este último a ser lançado em outubro deste ano) foram produzidos através do uso de tecnologia de matriz solar flexível de terceira geração, de acordo com a CMSA.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.