Investimentos chineses na Europa aumentam oito vezes em um ano

País asiático foi responsável por 155 transações no continente em 2021

Créditos: Xinhua/Zheng Huansong

Após a queda dos investimentos de empresas chinesas na Europa em 2020 devido à pandemia, o número de transações voltou a subir e chegou a 155 em 2021, de acordo com um estudo publicado pela consultoria Ernst & Young (EY) Germany, na terça-feira.

O valor total de transações aumentou oito vezes para US$ 12,4 bilhões, de acordo com o estudo. O maior investimento individual de uma empresa chinesa na Europa foi a aquisição da divisão de eletrodomésticos da Philips, com sede em Amsterdã, que foi vendida para a empresa Hillhouse Capital, com sede em Hong Kong, por US$ 4,4 bilhões.

A segunda maior transação foi a aquisição pela Tencent da desenvolvedora britânica de videogames Sumo Digital, seguida pela aquisição pela China International Marine Containers da fabricante dinamarquesa de contêineres refrigerados Maersk Container Industry, cada uma por US$ 1,1 bilhão, de acordo com o estudo.

Em 2021, a Grã-Bretanha substituiu a Alemanha como o mercado mais movimentado para investimentos chineses com 36 aquisições e participações de empresas. A Alemanha registrou 35 transações, seguida pela Holanda com 13 transações.

“Ainda há interesse entre os investidores chineses em fornecedores automotivos europeus ou empresas de engenharia mecânica, mas agora mais nos subsetores de eletromobilidade, direção autônoma e materiais de alta tecnologia”, disse Yi Sun, sócio e chefe da EY para os serviços comerciais da China na região oeste da Europa.

Na Alemanha, em particular, houve “alguns investimentos muito grandes em startups no ano passado, nos quais os investidores chineses desempenharam um papel importante”, disse Sun. Além das habilidades de engenharia alemã, “o conhecimento em comércio eletrônico é cada vez mais procurado”.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.