Hospitais de Shangdong criam projeto de compartilhamento de cadeiras de rodas

Com funcionamento semelhante ao do compartilhamento de bicicletas, o projeto visa facilitar a assistência a pacientes dos hospitais

Hospitais da província de Shandong deram início a uma operação de cadeiras de rodas compartilhadas, que funcionam de forma semelhante à das bicicletas compartilhadas, com o intuito de facilitar a assistência aos pacientes mais necessitados. Atualmente o Hospital de Qilu, afiliado à Universidade de Shandong, tem mais de 40 cadeiras compartilhadas.

O vice-diretor do hospital, Chen Yuguo, explicou que para usar as cadeiras, os pacientes devem escanear códigos QR, baixar um aplicativo no celular e fazer um depósito de 299 yuans (US$ 43,50). Durante as primeiras duas horas, as cadeiras poderão ser usadas gratuitamente, e depois desse período, os usuários deverão pagar 1 yuan para cada 10 minutos extras que ficar com a cadeira. Chen ainda indicou que os veículos deverão ser levados de volta ao estacionamento designado no hospital, onde transmissores de rádio poderão reconhecer o retorno e parar a cobrança.

O Terceiro Hospital Provincial Shandong, por sua vez, tem 30 cadeiras compartilhadas, sendo que, de acordo com o seu vice-diretor, Han Ye, afirmou que a equipe do hospital descobriu que de 20 a 30% dos pacientes precisam da assistência de uma cadeira de rodas. A província tem mais de 20 milhões de pessoas com mais de 60 anos, o que corresponde a mais de 20% de sua população, e um grande número de idosos precisa de assistência em caminhadas.

Especialistas da área da saúde afirmam que as cadeiras de rodas também deveriam ser fornecidas em lugares cênicos, terminais de ônibus e aeroportos, para facilitar a viagem. Esse projeto de compartilhamento de cadeiras de rodas é um programa-piloto que foi lançado em conjunto pelos hospitais e pelo Comitê de Trabalho para Promoção da China Saudável, que é uma iniciativa patrocinada pelo governo para promover infraestrutura de saúde e fornecer consultas de política.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.