Hong Kong e China continental trabalham em telescópio espacial que buscará matéria escura

O telescópio, que deverá ser enviado ao espaço em 2019, irá procurar matéria escura em galáxias a cerca de 300 milhões de anos-luz de distância

Os cientistas e engenheiros espaciais da parte continental da China e de Hong Kong estão trabalhando juntos em um telescópio espacial para procurar a misteriosa matéria escura em aglomerados de galáxias a cerca de 300 milhões de anos-luz de distância que deverá ser enviado ao espaço em 2019. O telescópio espacial HKU Nº1 é um projeto conjunto da Universidade de Hong Kong, Universidade de Nanjing, Instituto de Mecânica e Eletricidade Espaciais de Pequim, subordinada à Academia de Tecnologia Espacial da China e mais duas empresas comerciais da capital chinesa.

Com inspiração no olho da lagosta, cientistas estadunidenses inventaram a tecnologia de focagem no final dos anos 70, que tem como maior vantagem a visão de grande ângulo. Essa sonda já foi usada por laboratórios de todo o mundo para detectar raios X no espaço, mas sem nunca ter sido enviado para orbitar no espaço. .

Su Yun, diretor do centro de pesquisa e desenvolvimento do Instituto de Mecânica e Eletricidade Espaciais de Pequim, revelou que o instituto começou a desenvolver um detector de focagem de raios X em 2013 e fez avanços na tecnologia central no final de 2015. Em 2016, a HKU e outras organizações apoiaram a aplicação dessa tecnologia na astronomia espacial.

Observações astronômicas mostram que todas as matérias conhecidas representam apenas cerca de 5% do universo, enquanto 95% é composto de matéria escura e energia escura. Consideradas as duas “nuvens negras” sobre a área física do século XXI, a matéria escura e a energia escura estão na fronteira da física básica e da cosmologia.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.