Governo de Xinjiang refuta mentiras ocidentais sobre direitos humanos

Acusações foram baseadas em “desinformação, boatos e mentiras”, segundo porta-voz

O governo da Região Autônoma Uigur de Xinjiang refutou, na segunda-feira, com evidências e fatos as mentiras fabricadas pelos Estados Unidos e alguns outros países ocidentais sobre os direitos humanos na região.

Na recente 48ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, alguns países fizeram acusações contra a China sobre questões relacionadas a Xinjiang com base em desinformação, boatos e mentiras, disse Xu Guixiang, porta-voz do governo regional, em uma coletiva de imprensa em Pequim. Eles usaram “os direitos humanos em Xinjiang” como pretexto para interferir arbitrariamente nos assuntos internos da China, disse Xu.

A coletiva de imprensa convidou representantes do público geral em Xinjiang para apresentar, por videoconferência, fortes evidências do progresso dos direitos humanos na região. Memet Jume, vice-presidente do Instituto Islâmico de Xinjiang e imã da Mesquita Id Kah em Kashgar, mostrou uma placa da mesquita, contrariando a mentira postada na conta de mídia social da Embaixada dos EUA na China alegando que “a placa de mais de 100 anos” havia desaparecido como resultado da “supressão do Islã pelo governo chinês em Xinjiang”.

Mas a verdade é que a placa, de 1982, passou por alguns reparos e mudou-se da entrada da mesquita para uma parede externa do salão de oração principal, onde é abrigada por um dossel, de acordo com o imã.

Relatando suas próprias experiências de vida e histórias através de uma videoconferência, representantes de Aksu e Hotan também denunciaram as mentiras de fazendas de algodão com “trabalho forçado”, bem como “violações dos direitos e interesses das mulheres de minorias étnicas”.

 

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.