Gaivotas raras migram em massa para Mongólia Interior

Segundo as autoridades locais, esse é o primeiro retorno expressivo desses pássaros migratórios em 13 anos

A Região Autônoma da Mongólia Interior viu mais de 800 gaivotas raras migrarem para os seus pantanais de Ordos no início de abril, o que marca o primeiro retorno em massa destes pássaros migratórios em 13 anos, segundo as autoridades locais. Com a cabeça preta e o corpo branco, a gaivota-relíquia (também conhecida como gaivota da Ásia Central) é uma das espécies em risco de extinção com proteção de primeira classe nacional.

A maior parte da sua população passa o inverno na baía de Bohai, na China e, segundo Xing Xiaojun, diretor da administração da Reserva de Gaivotas-Relíquia de Ordos, “na primavera, os pássaros voam para o noroeste da China, Mongólia e Cazaquistão, aninhando-se em ilhotas na falta de desertos”.

Uma ilha no Lago Taolimiao-Araxan da reserva é um habitat vital para a procriação de gaivotas. “Houve uma vez mais de 10 mil gaivotas procriadoras, respondendo por cerca de metade da população inteira”, afirmou Xing. Apesar disso, poucos ninhos foram vistos desde 2006, uma vez que a ilha desapareceu ao encolhimento do Lago.

Ordos adotou uma série de medidas para proteger o pantanal nos últimos anos, como remoção de represa e desvio de água do Rio Amarelo. No momento, o lago, que tem área hídrica de até 7 km², vê uma maior diversidade de pássaros. “Mais de 20 mil pássaros migrantes vieram aqui no último outono, uma vez que o ambiente do pantanal melhorou”, disse Ren Yongqi, chefe da estação de proteção na reserva.

Segundo Xing, o pantanal é casa para 15 mil outros pássaros, e foram feitos mais esforços para proteger os pássaros de procriação contra perturbações. A Reserva de Gaivotas-Relíquia de Ordos, que é a única reserva natural do mundo do tipo, foi listada como uma reserva de pantanal internacionalmente reconhecida em 2002.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.