Fotógrafo descobre impressão digital com mais de 2 mil anos em Exército de Terracota

O artista já fotografou 862 figuras desde 1997

Zhao Zhen já tirou fotos de 862 guerreiros de terracota da Dinastia Qin no Mausoléu de Qin Shihuang desde 1997. Em um desses trabalhos, o fotógrafo descobriu impressões digitais deixadas pelo artesão há cerca de 2.200 anos atrás.

Ele estava registrando as esculturas quando viu marcas das mãos do artista no bigode e no lábio inferior de um guerreiro. 

A atividade exige que Zhao use roupas apertadas para evitar danificar qualquer obra, já que a distância entre as figuras varia entre 30 e 40 cm. Ele também para de comer uma hora antes de começar as fotos, para não se distrair rapidamente.

O “guardião do mausoléu”, como Zhao se intitula, diz que demora cerca de uma hora para registrar cada guerreiro por diferentes ângulos. Ele agacha, deita no chão e anda ao redor da figura para ter certeza de que captou todos os detalhes.

Para o fotógrafo, é como se as figuras estivessem vivas. Especialmente no final de dezembro, quando a luz do Sol as deixa coloridas. Nessa época do ano, ele fica no fosso e espera pelo momento mágico entre 14h e o pôr do sol.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.