Financiamento de banco dos BRICS na região amazônica do Brasil é um êxito, destaca secretário

Instituição concedeu crédito de US$ 50 milhões para melhora na infraestrutura de nove municípios

Créditos: Xinhua/Fang Zhe

O financiamento de infraestrutura em nove municípios do estado brasileiro do Pará (norte) por parte do banco dos BRICS foi um “êxito” que deve se repetir para o avanço na redução da pobreza e da desigualdade e para que regiões menos desenvolvidas atraiam investimentos, disse o secretário de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas do Pará, Ruy Cabral.

O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) concedeu um crédito de US$ 50 milhões para que o estado amazônico otimizasse a infraestrutura urbana em nove municípios, explicou Cabral em entrevista à agência Xinhua.

O chamado Banco dos BRICS (grupo integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) financia as obras do programa Municípios Sustentáveis, iniciadas em 2019, em regiões com baixo índice de desenvolvimento humano, mas que têm como atividades a agropecuária e a extração mineral.

“A cooperação com o NDB é extremamente importante porque a captação de recursos leva à infraestrutura, ao desenvolvimento, à redução da pobreza e à busca do equilíbrio econômico e social”, afirmou o secretário.

O NDB concedeu o crédito ao estado do Pará em 2018 para a realização de obras de infraestrutura urbana nos municípios de Brasil Novo, Medicilândia, Placas, Uruará, Senador José Porfirio, Novo Progresso, Trairão, Itaituba e Rurópolis, situados nas bacias dos rios amazônicos Xingú e Tapajós.

Para o programa Municípios Sustentáveis é “importante ter o NDB como parceiro para atrair investimentos e fazer com que o cidadão que se estabeleça nesse lugar tenha infraestruturas melhores. O NDB foi um parceiro espetacular devido às facilidades que nos deu”, ressaltou Cabral.

As obras de infraestrutura têm a ver com pavimentação, drenagem, saneamento básico, construção de calçadas e de acessibilidade.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.


  • Paulo Piza disse:

    Qualquer investimento na região amazonica é preocupante,principalmente quando pretende alavancar atividades como a agropecuária e a mineração.