Experiência de Wuhan: usar máscaras e levar pacientes contaminados para centros especializados

Especialista aconselha que doentes com sintomas leves não sejam isolados em casa, onde podem passar a infecção para mais familiares

O diretor de dois hospitais de Wuhan, Wang Xinghuan, deu uma série de orientações para a luta contra o coronavírus a partir de suas experiências vivenciadas no antigo epicentro da doença na China.

Wang disse que alguns médicos do Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan contraíram a COVID-19 no estágio inicial do surto porque não estavam usando máscaras faciais. “Nenhum dos que usavam máscaras durante o contato com os pacientes foi infectado, então estamos certos sobre a eficácia delas”, afirmou.

O diretor também aconselhou que não se peça aos pacientes com sintomas leves que se isolem em casa, onde podem passar a infecção para mais familiares. “Naqueles primeiros dias, houve muitos casos em que um paciente infectou uma família inteira de três, cinco ou seis pessoas em Wuhan. Esta é uma lição importante”, informou.

Depois de perceber esse problema, a cidade converteu instalações públicas, incluindo ginásios e centros de exposições, em 16 hospitais temporários que abrigaram pacientes em quarentena com sintomas leves.

“Se a transmissão não for cortada, então é natural que as infecções aumentem”, disse Wang. “Para conter uma epidemia, pelo menos um dos três fatores deve ser completamente controlado: a fonte da infecção, a rota de transmissão e a população suscetível.”

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.