EUA anunciam repatriação de 361 relíquias e artefatos chineses

Os documentos para a transferência das relíquias foram assinados em cerimônia no Museu Eiteljorg, em Indianápolis

Os Estados Unidos anunciaram a repatriação de 361 relíquias e artefatos chineses para a China em uma cerimônia realizada no Museu Eiteljorg em Indianápolis, Indiana, que contou com a presença de funcionários de alto escalão dos dois países. Esse é o maior lote de repatriação de relíquias e artefatos pelos EUA desde 2009, quando as duas nações assinaram um memorando para promover a cooperação nesse quesito.

Funcionários chineses disseram em entrevista à Xinhua que estas relíquias e artefatos repatriados, descobertos pelo escritório do FBI em Indianápolis, em abril de 2014, receberam permissão para retornar à China, graças à cooperação de cinco anos entre o Departamento de Estado dos Estados Unidos, o FBI, a Administração Nacional de Patrimônio Cultural e a embaixada da China nos EUA.

Durante a cerimônia, os funcionários da Administração de Patrimônio Cultural e do FBI assinaram e trocaram Certificados de Transferência, formalizando a mudança da custódia dos Estados Unidos para a China das relíquias culturais e artefatos repatriados.

Hu Bing, vice-diretor da Administração Nacional de Patrimônio Cultural da China, afirmou essas relíquias e artefatos são parte inseparável do patrimônio cultural da China e disse que a repatriação é fruto da cooperação de longa data entre os dois países, e que promoverá ainda mais a confiança e entendimento entre os dois povos, já que a China e os EUA celebram este ano o 40º aniversário dos laços diplomáticos bilaterais.

Ele ainda apontou que a repatriação também estabelecerá um grande exemplo para os esforços de preservação de relíquias mundiais, uma vez que representa o respeito às regras internacionais assim como à cultura e história das nações nativas. “A China aprecia os esforços dos EUA na repatriação das relíquias, e espera uma maior cooperação com o país na preservação de relíquias e compartilhamento de informações, na aplicação da lei contra roubo e contrabando, assim como nos intercâmbios interpessoais para promover a realização de mais feiras internacionais e facilitar os intercâmbios culturais mundiais”.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.