Estudo mostra que pangolim pode ser hospedeiro intermediário do coronavírus

De acordo com os resultados da pesquisa, genoma da cepa do coronavírus coletada de pangolins é 99% idêntica à das pessoas infectadas

Uma pesquisa liderada Universidade Agrícola do Sul da China mostra que a sequência do genoma da cepa do novo coronavírus coletada de pangolins é 99% semelhante à das pessoas infectadas, o que indica que estes animais podem ser hospedeiros intermediários do vírus. Liu Yahong, reitora da universidade, a equipe de cientistas analisou mais de mil amostras de metagenoma de animais selvagens e apontou os pangolins como hospedeiros intermediários mais possíveis.

A detecção biológica molecular revelou que a taxa positiva de Betacoronavírus em pangolins foi de 70%. Os pesquisadores isolaram ainda mais o vírus, observaram sua estrutura com um microscópio eletrônico e descobriram que a sequência do genoma da cepa de coronavírus é 99% idêntica àquela nas pessoas infectadas.

Os resultados mostram que o pangolim é um potencial hospedeiro intermediário do novo coronavírus, destacou Liu, que também disse que o estudo apoiará a prevenção e o controle da epidemia e também oferecerá referência científica para políticas sobre animais selvagens.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.