Estudo chinês sobre biossíntese de quitina lança luz sobre desenvolvimento de pesticidas ecológicos

Pesquisadores estudaram principal patógeno que causa mais de U$ 1 bilhão em perdas econômicas por ano

Xinhua/Huang Bohan

Um novo estudo realizado por cientistas chineses revelou pela primeira vez o processo completo de biossíntese de quitina, fornecendo uma nova direção para a inovação original de pesticidas ecológicos. O estudo foi publicado na revista Nature, de acordo com a Academia Chinesa de Ciências Agrícolas (CAAS).

Os pesticidas podem reduzir perdas econômicas, mas enfrentam sérios desafios por sua toxicidade e resistência por parte das pragas e doenças. A chave para o desenvolvimento seguro com um novo mecanismo de ação está em um alvo molecular específico, que pode dar à luz dezenas ou até centenas de novos pesticidas.

A quitina é o amino-polissacarídeo mais abundante na Terra e sua biossíntese é essencial para a sobrevivência e reprodução de um grande número de organismos, incluindo muitas pragas, fungos patogênicos e oomicetas que prejudicam seriamente a produção agrícola. Enquanto isso, como a quitina não existe em plantas e mamíferos, é um alvo molecular ideal para o desenvolvimento de fungicidas ou inseticidas ecológicos.

Cientistas do Instituto de Proteção Vegetal da CAAS estudaram o PsChs1, um sintetizador de quitina da Phytophthora Sojae, o principal patógeno causador da podridão da raiz de soja, que causa mais de US$ 1 bilhão em perdas econômicas a cada ano globalmente.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.