Empresa chinesa investirá na preservação de sítio arqueológico do Rio

O Cais do Valongo era o ponto de chegada dos escravos africanos no Brasil durante o século XIX e foi tombado em 2017 como patrimônio mundial da UNESCO

A companhia chinesa State Grid irá investir na preservação do Cais do Valongo, um sítio arqueológico de muita importância histórica localizado no centro da cidade do Rio de Janeiro. O local era o ponto de chegada dos escravos africanos no Brasil durante o século 19 e as suas ruínas foram descobertas durante a reforma da área portuária como parte dos preparativos da capital carioca para hospedar os Jogos Olímpicos de 2016.

Com a verba doada pela empresa da China ajudará a restaurar o local e transformá-lo em um museu aberto, com uma nova iluminação cênica, sinalização e câmeras de segurança, o que permitirá que os visitantes tenham um melhor entendimento sobre o local, que foi tombado como patrimônio mundial da UNESCO em 2017.

De acordo com o secretário municipal da Cultura do Rio, Adolfo Konder, também será lançado um projeto educacional que terá como objetivo engajar os estudantes e visitantes a entender melhor a importância do Valongo, especialmente para os brasileiros de origem africana. “É um lugar por onde passaram os ancestrais que formaram o nosso povo e uma grande parcela da nossa cultura brasileira. É preciso que a população conheça essa história”, explicou ele.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.