Dois projetos de irrigação milenares chineses viram Patrimônio Mundial

Com a adição do Hetao e do Qianjinpi à lista de Patrimônios Mundiais de Estruturas de Irrigação, a China tem um total de 19 projetos listados

A Comissão Internacional de Irrigação e Drenagem (ICID, na sigla em inglês) reconheceu dois projetos de irrigação milenares da China como Patrimônio Mundial de Estruturas de Irrigação, em uma conferência realizada em Bali, na Indonésia, de acordo com o Ministério dos Recursos Hídricos chinês. Dessa forma a China já conta com 19 projetos nessa lista.

Um desses projetos, o Hetao, tem cerca de 2 mil anos e desvia água do Rio Amarelo para irrigação de terras agrícolas na Planície Hetao, na Região Autônoma da Mongólia Interior. Já o Qianjinpi tem cerca de 1.200 anos e está localizado em Fuzhou, província de Jiangxi, e é um típico projeto fechado de conservação de água, com várias funções, como irrigação, transporte fluvial, drenagem e controle de enchentes no meio curso do rio Yang-Tsé.

Outros 17 projetos de irrigação, de outros seis países (Irã, Itália, Japão, Malásia, Sri Lanka e Estados Unidos) também receberam esse título neste ano. Esse título de Patrimônio Mundial, criado pela ICID em 2014, visa proteger e promover projetos de irrigação de valor histórico e sua experiência científica. Até agora, 91 projetos de irrigação antigos em todo o mundo foram listados.

A ICID foi fundada em 1950 e é uma organização internacional para impulsionar o intercâmbio científico e tecnológico em irrigação, drenagem e controle de inundações. Gao Zhanyi, presidente honorário da ICID e especialista do Instituto de Recursos Hídricos e Pesquisa Hidrelétrica da China, disse que a herança de projetos de irrigação na China não apenas envolve seus benefícios tecnológicos, mas também a memória cultural da nação chinesa, mostrando o patrimônio cultural e o espírito científico e tecnológico.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.