DNA de Hominídeo de Denisova é encontrado em caverna chinesa

Amostra foi encontrada em sedimentos no planalto Qinghai-Tibete

Cientistas chineses encontraram DNA mitocondrial de denisovanos em sedimentos do final do Pleistoceno Médio, depositado entre 100 e 60 mil anos atrás, na caverna de Baishiya Karst no planalto Qinghai-Tibete. O Hominídeo de Denisova foi um grupo extinto que viveu há cerca de 160 mil anos e foi identificado, pela primeira vez, nas montanhas Altai, no sul da Sibéria, a partir de uma sequência de genoma detectado em um fragmento de falange.

“A descoberta estende ainda mais o período em que os denisovanos ocuparam a caverna e fornece evidências de que eles tinham uma presença de longo prazo no planalto Qinghai-Tibete”, disse Zhang Dongju, membro da equipe arqueológica que encontrou o DNA.

O estudo, publicado na revista Science na sexta-feira, aponta que os Hominídeos de Denisova podem ter se adaptado à vida em grandes altitudes e ter contribuído com essas adaptações para os humanos modernos do planalto. A pesquisa foi liderada pela equipe arqueológica da Universidade de Lanzhou da China e concluída por universidades e instituições de pesquisa chinesas, alemãs, australianas e estadunidenses.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.