Desequilíbrio comercial EUA-China está melhorando, diz Forbes

Artigo afirma que, apesar da pandemia, países têm visto diminuição do déficit comercial

O comércio dos EUA com a China mudou vastamente da sua situação anterior de desequilíbrio, disse a revista de negócios Forbes em um artigo publicado na última semana.

A pandemia obscureceu a imagem do comércio bilateral em 2020, mas com a diminuição do impacto do vírus em ambos os países, “surgiu alguma clareza estatística”, disse Milton Ezrati, estrategista econômico sênior, autor do texto, mencionando os dados comerciais recém-divulgados pelo Departamento de Comércio dos EUA.

A instituição diz que 2018 viu o pior déficit comercial bilateral com a China, quando o país asiático vendeu aos Estados Unidos US$ 419 bilhões a mais em mercadorias. “Nos primeiros três meses de 2021, essa diferença situava-se em uma taxa anual de US$ 284 bilhões, ainda um enorme déficit, mas uma correção – se essa é a palavra certa – de quase um terço”, disse ele.

Essa imagem mostra claramente uma moderação em importações pelos EUA da China e uma aceleração nas exportações dos EUA para a China, disse Ezrati, observando que o que está “claro nos dados é a conformidade de Pequim com o acordo comercial firmado entre ela e Washington em 2019 e selado apenas antes do início da pandemia.”

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.