Conjunto de detectores de raios cósmicos da China entra em operação

Objetivo do projeto é estudar a origem dos raios cósmicos

O primeiro conjunto de detectores do Observatório de Raios Cósmicos de Alta Altitude (LHAASO), localizado a 4.410 metros acima do nível do mar, entrou em operação na província de Sichuan. O objetivo do projeto é pesquisar a origem dos raios cósmicos e estudar seus mecanismos de aceleração e transmissão.

Segundo o Instituto de Física de Alta Energia, da Academia Chinesa de Ciências, o nível de água do tanque 3 atingiu o nível necessário para funcionar. Isso significa que a construção do Conjunto do Detector de Água Cherenkov (WCDA) foi concluída.

O WCDA possui três tanques e, em cada um deles, os detectores são instalados para formar um conjunto e ficar imerso em água purificada. O líquido puro permite que os equipamentos captem os sinais gerados pelas partículas de alta energia.

O Conjunto possui 3.120 unidades de detecção e 6.240 sondas fotossensíveis. Cao Zhen, cientista chefe do LHAASO, disse que o WCDA cobre uma área quatro vezes maior em comparação com o segundo maior dispositivo da sua classe. 

O equipamento pode identificar explosões de raios gama, explosões rápidas de rádio e outros sinais de radiação de alta energia com características transitórias dentro e fora da galáxia.

O Observatório também foi projetado para ter telescópios Cherenkov de amplo campo de visão, um conjunto de detectores múon e um conjunto de detectores de partículas eletromagnéticas, que devem torná-lo um centro de pesquisa de raios cósmicos reconhecido mundialmente.

A construção da infraestrutura começou em julho de 2016 e o observatório começou a ser montado em junho de 2018.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.