CNSA diz que China contará com cooperação internacional em suas missões espaciais

A administração falou sobre a Chang’e-4 e que o país estará aberto a trabalhar com a comunidade internacional para próximas missões, como o pouso no polo sul da Lua

A China está aberta à cooperação internacional em suas futuras missões espaciais, de acordo com Wu Yanhua, subchefe da Administração Nacional Aeroespacial da China (CNSA, na sigla em inglês), em uma coletiva de imprensa. Ele revelou que o país está disposto a trabalhar com a comunidade internacional para impulsionar as fronteiras da exploração espacial com base na igualdade, benefício mútuo, uso pacífico e desenvolvimento inclusivo.

Wu demonstrou que a administração está grata pela atenção internacional a respeito da missão Chang’e-4 e destacou que a China tem estado aberta à cooperação em sua exploração espacial. O país, segundo ele, está disposto a contribuir com mais sabedoria chinesa para o desenvolvimento aeroespacial internacional.

O secretário-geral da CNSA, Li Guoping, falou sobre a cooperação espacial com a Rússia e disse que o país é um dos principais parceiros dos programas chineses. Com um mecanismo de reuniões regulares, os chefes de governo dos dois países criaram um comitê de cooperação espacial que deve realizar colaborações em projetos como a exploração lunar e do espaço profundo; observação da Terra; comunicação via satélite e detritos espaciais até 2022.

Li afirmou que a exploração lunar e do espaço profundo é uma área importante na cooperação espacial China-Rússia, sendo que os dois países têm planos para colaborar na espaçonave orbital russa Luna-Resurs-1 (Luna-26) e no projeto chinês de pouso no polo sul da Lua.

Já sobre a futura Estação Espacial Chinesa (EEC), Li falou que o país deverá finalizar a sua construção em 2022. Até agora, a China já realizou cooperação em missões espaciais tripuladas com a Rússia, a Alemanha, a França e a Agência Espacial Europeia, e espera fazer mais cooperações internacionais em pesquisa de equipamentos, aplicação espacial e treinamento de astronautas chineses. Em maio de 2018, a China anunciou em Viena que todos os Estados que são membros das Nações Unidas são bem-vindos para cooperar e utilizar conjuntamente a EEC, acrescentou.

De acordo com Li, todas as contrapartes estrangeiras são bem-vindas a participar de suas futuras missões lunares e de espaço profundo, especialmente na da sonda lunar que planeja pousar no polo sul da Lua. Ele também disse que 10 kg de carga útil no orbitor e pousador serão abertos a parceiros internacionais. Enquanto isso, o satélite de retransmissão Queqiao funcionará por um período de três a cinco anos e a comunidade internacional poderá realizar pesquisas científicas e tecnológicas com ele.

A respeito da cooperação espacial com os EUA, Wu disse que os cientistas da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), da NASA, também cooperaram com a equipe da missão da Chang’e-4 no estudo do pouso da sonda chinesa. Os americanos contribuíram com os dados de órbita do LRO e a China, com a hora e localização do pouso. Ao fazer referência às imagens divulgadas pela China sobre a descida da Chang’e-4 na Lua, a equipe da LRO conseguiu identificar o local onde a sonda pousou, e a NASA postou imagens relacionadas.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.