Cientistas chineses desenvolvem sementes de arroz híbrido clonadas

Com isso, os fenótipos benéficos do arroz híbrido não são perdidos com a segregação genética

Uma equipe de cientistas chineses do Instituto Nacional de Pesquisa de Arroz e da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas foi bem-sucedida no desenvolvimento de sementes de arroz híbrido clonadas, de acordo com um artigo publicado no site do jornal Nature Biotecnology. Liderado por Wang Kejian, o grupo de pesquisas conduziu simultaneamente engenharia de meiose de genoma e fertilização de genes no desenvolvimento de sementes clonadas.

É comum que, por conta da segregação genética, os fenótipos benéficos do arroz híbrido se percam em gerações subsequentes, mas com sementes clonadas, o heterosis, ou vigor híbrido, pode ser herdado e produzir cultivos de alta produtividade. “O sucesso comprovou a viabilidade de apomixia para arroz híbrido, que é teoricamente significativo. Espero que com mais pesquisa, as sementes sejam postas em produção em breve”, afirmou Yuan Longping, agrônomo chinês considerado o “pai do arroz híbrido”.

Segundo estatísticas, a China plantou 16 milhões de hectares de arroz híbrido, cerca de 57% da área de plantio total de arroz em todo o país. A produção anual de arroz híbrido é de aproximadamente 2,5 milhões de ton.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.