China reduzirá o uso excessivo de apps em universidades

A nova campanha lançada pelo Ministério da Educação gerenciará melhor os aplicativos que as universidades fazem os seus alunos e professores baixarem e usarem

O Ministério da Educação da China lançará uma campanha para conter o uso excessivo de aplicativos nos campi universitários, pelo que disse Lei Chaozi, um funcionário da pasta. De acordo com a imprensa chinesa, em algumas universidades é exigido que os estudantes baixem e usem diversos apps para muitas situações básicas, como beber água ou fazer exercícios físicos.

Em março, o ministério fez uma inspeção em que descobriu que das 100 universidades avaliadas, 89 têm ao menos cinco aplicativos, sendo que em algumas universidades, o número de apps ultrapassa a casa dos 20, o que causa problemas aos estudantes e aos professores. Lei disse que a campanha intensificará o gerenciamento do desenvolvimento de aplicativos, o que deve ser feito com a autorização prévia da universidade e que o número de solicitações para uma universidade será estritamente limitado.

Um aplicativo só deve entrar em uso após solicitar opiniões de professores, alunos e seus pais, e ter o consentimento da gerência da universidade. “Os desenvolvedores de aplicativos de terceiros precisam assinar acordos de segurança de dados com as universidades antes de coletar informações pessoais através dos aplicativos”, acrescentou Lei.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.