China pede que Reino Unido pare de interferir nos assuntos de Hong Kong

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores sugeriu que Reino Unido abandone mentalidade colonial

O Ministério das Relações Exteriores da China se manifestou nesta quarta-feira sobre as recentes tentativas de interferência vindas do Reino Unido nos assuntos de Hong Kong.

“O Reino Unido deve reconhecer e respeitar o fato de que Hong Kong retornou à China e não deve usar a Declaração Conjunta Sino-Britânica como um pretexto para fazer comentários irresponsáveis”, disse o porta-voz Zhao Lijian em uma entrevista coletiva.

Anteriormente, o secretário britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab declarou que “a legislação de segurança nacional ‘autoritária’ em Hong Kong viola ‘um país, dois sistemas’ e este é um momento para que a China recue para se afastar da beira”.

Zhao Lijian rebateu: “Para citar suas próprias palavras, pedimos que o Reino Unido ‘recue’, rejeite a mentalidade da Guerra Fria e a mentalidade colonial, reconheça e respeite o fato de que Hong Kong já retornou à China como uma região administrativa especial”.

“O Reino Unido não tem nenhuma soberania, jurisdição nem direito de supervisionar Hong Kong. Por isso, sobre nenhuma base pode citar a Declaração Conjunta para comentar arbitrariamente os assuntos de Hong Kong ou interferir nos assuntos internos da China”, indicou o porta-voz.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.