China pede que países ocidentais combatam a discriminação racial

Tema foi abordado na 47ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas

A China pede que os países ocidentais respondam seriamente às preocupações da comunidade internacional, reflitam sobre si mesmos e tomem medidas concretas para lidar com a questão do racismo e discriminação racial sistêmicos, disse na terça-feira Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês.

O porta-voz fez os comentários em uma coletiva de imprensa ao comentar sobre o tema abordado na 47ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. O conselho manteve, na segunda-feira, um diálogo sobre a proteção dos direitos humanos dos africanos e dos afrodescendentes.

Os países em desenvolvimento denunciaram o racismo e a discriminação racial sistêmicos e apelaram à comunidade internacional para intensificar os esforços para combater a discriminação e a violência contra os descendentes africanos e asiáticos, disse Zhao.

Michelle Bachelet, Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, disse que a negação da responsabilidade histórica por países que se beneficiaram da escravidão, do tráfico transatlântico de escravos e do sistema colonial foi uma causa importante do racismo e da violência racial galopantes.

Bachelet também observou que os países envolvidos devem tomar medidas substantivas para mudar os mecanismos e medidas discriminatórias, responsabilizar as pessoas por crimes racistas e fornecer indenizações às vítimas, a fim de alcançar a igualdade racial e a justiça o mais cedo possível.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.