China lançará satélite para detectar ondas gravitacionais em 2019

Batizado de Tianqin, o projeto foi iniciado pela Universidade Sun Yat-sen em 2015 e consiste em três satélites formando um triângulo ao redor da Terra

Ondas gravitacionais geradas por um sistema binário

A China tem o plano de lançar o seu primeiro satélite para testar as tecnologias do projeto de pesquisa de onda gravitacional baseada no espaço até o final de 2019. O projeto, batizado de Tianqin (harpa no céu), foi iniciado pela Universidade Sun Yat-sen, na província de Guangdong, em 2015 e consiste e três satélites formando um triângulo em torno da Terra. “É como uma harpa no espaço: se as ondas gravitacionais se aproximarem, as cordas da harpa vibrarão”, disse Luo Jun, presidente da universidade, em uma conferência.

A detecção será baseada na tecnologia de interferometria de laser de alta precisão para medir as alterações de distância e localização dos três satélites, de acordo com Luo. As ondas gravitacionais são “ondulações” no tecido de espaço-tempo causadas por alguns dos processos mais violentos e energéticos do universo e Albert Einstein previu a sua existência ainda em 1916, em sua teoria da relatividade.

A primeira descoberta das ondas gravitacionais, feita pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro Laser (LIGO), dos EUA, anunciada em fevereiro de 2016, fez com que cientistas de todo o mundo avançassem em suas pesquisas. Diferente do LIGO, as sondas baseadas no espaço serão usadas para detectar as ondas gravitacionais geradas por meio da formação de buracos negros massivos ou supermassivos, de acordo com os cientistas.

Luo ainda admitiu que mesmo que a China tenha alcançado certos progressos na tecnologia de detecção, ainda há uma grande lacuna para realizar a detecção baseada no espaço de ondas gravitacionais, sendo que o ajuste do alcance a laser é uma das tecnologias necessárias para a detecção. O país realizou o primeiro ajuste de alcance bem-sucedido entre a Terra e a Lua em janeiro deste ano.

O satélite retransmissor da sonda lunar Chang’e-4 da China, lançado em maio deste ano, está levando um refletor desenvolvido pela Universidade Sun Yat-sen, e vai estender o alcance a laser a uma distância recorde de 460 mil km em 2019. Cientistas da Alemanha, Itália e Rússia expressaram o desejo de cooperar com a China na detecção de ondas gravitacionais.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.