China lança satélites gêmeos Beidou

Com isso, o país concluiu a implementação básica da constelação do BDS, que fornecerá serviços de navegação para países da Iniciativa Cinturão e Rota

A China realizou nesta semana o lançamento de dois satélites de navegação Beidou com um foguete transportador Longa Marcha-3B. Após saírem do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, na província de Sichuan, os satélites voaram por mais de três horas e entraram em sua órbita média terrestre, onde vão operar com 17 aparelhos Beidou-3 que já estão em órbita.

Com o sucesso do lançamento desses satélites, que são o 42° e 43 do sistema de navegação Beidu (BDS, na sigla em inglês), está concluída a implantação básica da constelação do BDS. Os planos da China envolvem usar esse sistema para fornecer serviços de navegação para países da Iniciativa Cinturão e Rota, o que deve começar a acontecer até o final desse ano.

Yang Changfeng, programador-chefe do sistema, afirmou que esse é um passo essencial para o desenvolvimento do BDS de um sistema experimental doméstico para regional, e posteriormente, global. Ele ainda disse que a precisão de posicionamento do sistema BDS-3 passou de 2,5 para 5 metros, o que é duas vezes melhor do que o BDS-2.

A China ainda planeja lançar mais três satélites BDS-3 para as órbitas médias terrestres, três para a órbita geossíncrona inclinada e dois para a órbita geoestacionária entre 2019 e 2020. Os seus planos envolvem fornecer, até o final de 2020, serviços de primeira classe em todo o mundo.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.