China e Rússia criarão laboratório de pesquisa polar

O projeto foi proposto pela Universidade de Engenharia de Harbin e deverá fortalecer a cooperação entre os dois países em áreas como navegações no Ártico

A criação de um laboratório conjunto sobre tecnologia e equipamentos polares entre a China e a Rússia foi aprovado recentemente pelo Ministério da Ciência e Tecnologia da China. Proposto pela Universidade de Engenharia de Harbin, o projeto é um dos 14 laboratórios conjuntos sob a Iniciativa Cinturão e Rota aprovados no início de junho.

O laboratório, que terá cinco missões principais (pesquisa conjunta, intercâmbio acadêmico, transferência internacional de tecnologia, treinamento de talentos e inovação de mecanismos), deverá fortalecer a cooperação chinesa com a Rússia em áreas-chave como navegação no Ártico, cooperação em energia e pesquisa polar.

“Através do laboratório conjunto, a China e a Rússia compartilharão suas experiências e conquistas na construção naval polar, operações de rotas polares e exploração de recursos polares”, disse Xue Yanzhuo, diretor da Faculdade de Engenharia de Construção Naval da universidade. Segundo ele, os institutos russos serão convidados a construir conjuntamente centros internacionais, acelerar as cooperações científica e tecnológica internacionais e fornecer apoio para a construção da “Rota da Seda no Gelo”.

É previsto que se forme um grupo de clusters industriais com foco em equipamentos polares, engenharia naval e manufatura inteligente após o estabelecimento do laboratório conjunto. A Universidade de Engenharia de Harbin é um dos principais institutos de pesquisa no campo de navios polares e engenharia naval na China, tendo se tornado membro da Universidade da Aliança do Ártico em setembro de 2018.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.