China divulga plano espacial para 2020

De acordo com os planos da CAST, este ano deverá ser o com mais lançamentos espaciais em toda a história do país

A China deverá realizar mais lançamentos espaciais em 2020 do que em qualquer ano de sua história até hoje, pelo que diz um plano divulgado pela Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China (CASC, na sigla em inglês). O país deverá enviar mais de 60 naves espaciais para orbitar por meio de 40 lançamentos realizados ao longo do ano.

“Esse ano continuará a testemunhar lançamentos intensos”, disse Shang Zhi, chefe do Departamento Espacial da CASC, durante uma coletiva de imprensa. Segundo ele, existem três missões principais, focadas fundamentalmente na conclusão do Sistema de Navegação por Satélite BeiDou-3, na exploração lunar e na rede de satélites de observação Gaofen. 

Dois satélites geoestacionários BeiDou serão enviados ao espaço ainda no primeiro semestre de 2020. O país ainda tem planos de mandar este ano a sonda lunar Chang’e-5, que deve trazer amostras lunares para a Terra, e a primeira sonda da China para Marte. 

Dessa mesma forma, três novos tipos de foguete farão seus voos inaugurais: o Longa Marcha-5B, o Longa Marcha-7A e o Longa Marcha-8. Como uma nova geração de foguetes, o Longa Marcha-5B tem a maior capacidade de transporte para a baixa órbita terrestre e transportará a cápsula central e cápsulas experimentares da estação espacial da China. Os foguetes Longa Marcha-5 serão lançados ao espaço em três ocasiões em 2020, transportando uma nova geração de naves espaciais tripuladas, uma sonda a Marte e uma sonda Chang’e-5. 

O Longa Marcha-7A representa uma nova geração de foguete de tamanho médio e alta órbita, e o Longa Marcha-8 aumentará a capacidade de elevação da China para lançamentos em órbitas síncronas solares, além de atender às necessidades crescentes de lançamentos comerciais.

A CASC também enviará vários satélites ao sistema de infraestrutura espacial civil da China e planeja uma série de lançamentos comerciais para esse ano. Em 2019, o país realizou 34 lançamentos espaciais, ocupando o primeiro lugar em todo o mundo.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.