China decide impor sanções à contratante de armas norte-americana

Medida ocorre após EUA planejar venda de US$620 milhões em mísseis para Taiwan

“A China se opõe firmemente às vendas de armas dos EUA a Taiwan”, reforçou nesta semana Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. O país asiático decidiu impor sanções à empresa norte-americana envolvida em um plano de vendas de armas para Taiwan.

As sanções foram classificadas por Zhao como “necessárias para salvaguardar os interesses nacionais”.

Recentemente, a empresa Lockheed Martin se encarregou pelo fornecimento do pacote de recertificação para os mísseis Patriot Advanced Capability-3 a Taiwan, no valor total de US$ 620 milhões.

“Exortamos os Estados Unidos a suspenderem a venda de armas a Taiwan e a romperem os laços militares com a ilha chinesa, para evitar que as relações China-EUA sejam ainda mais prejudicadas, bem como a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan”, acrescentou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.