China cria parque nacional para restaurar áreas de montanhas

As montanhas Qilian foram bastante degradadas por atividades mineradoras, mas governo toma providências para reparar os danos

A China está realizando maiores esforços para proteger uma ampla zona de montanha na região noroeste do país. Em Lanzhou, capital da província de Gansu, foi inaugurado o Departamento de Administração do Parque Nacional das Montanhas Qilian. Com uma área de mais de 50 mil m², o parque inclui a reserva natural das montanhas Qilian, assim como uma série de outros parques nacionais e pantanais ao seu redor. Segundo Li Chunliang, subdiretor da Administração Nacional da Silvicultura e Pradarias, o governo chinês irá realizar medidas de proteção e elaborar regulamentos para ajudar a construir o parque nacional.

As montanhas Qilian se encontram na fronteira entre as províncias de Gansu e Qinghai, e a reserva natural foi projetada como um local de proteção nacional em 1988. Apesar disso, centenas de minas na região e diversos projetos de construção provocaram efeitos negativos ao meio ambiente. Uma campanha de restauração ecológica na reserva foi lançada em outubro de 2015, e os projetos de construção passaram a estar sob estrito controle e as minas foram desmanteladas.

As montanhas Qilian são conhecidas pelos habitantes de Gansu como as “montanhas mãe”, sendo que a neve e as geleiras do corredor de Hexi eram vias importantes para os comerciantes transportarem suas mercadorias ao longo da antiga Rota da Seda. Hoje, a zona continua sendo importante, pois mais de 5 milhões de pessoas que vivem ao longo dos rios Heihe, Shiyang e Shule dependem das montanhas para obter água.

A zona conta com muitos recursos naturais, o que permitiu que suas minas fossem abundantes, mas desde os anos 1970, o número de explorações se multiplicou na zona das montanhas, especialmente na reserva. “No ano de pico de 1997, foram abertas 824 minas, das quais 770 estavam na reserva natural”, disse um funcionário local de desenvolvimento dos recursos que preferiu não ser identificado.

Décadas de exploração madeireira e mineração, construção de fábricas, assim como o turismo exerceram efeitos adversos sobre a reserva natural, tais como a perda de água, a erosão do solo e a sedimentação. “Se caminhar pelo profundo da reserva, verá paisagens impressionantes, mas também se pode ver o dano causado pelas minas”, indicou Fang Yintian, ex-diretor do comitê permanente do órgão legislativo local. “Isto é resultado direto da superexploração”.

As autoridades não permaneceram cegas diante da destruição causada, e em setembro de 2015, o Ministério da Proteção Ambiental reuniu os responsáveis pela reserva para uma reunião. Como resultado, determinou-se o fechamento das minas e muitos moradores foram reassentados a outros lugares para ajudar a recuperação dos pastos das montanhas. Em 2017, um plano governamental foi aprovado para construir um parque nacional piloto nas montanhas. “Trabalhamos para recuperar o meio ambiente e o ecossistema, fechamos os projetos ilegais e conseguimos resultados significativos”, afirmou Wang Enguang, funcionário do departamento provincial dos recursos florestais de Qinghai.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.