China avança em seu desenvolvimento agrícola

Segundo a Academia Chinesa de Ciências Agrícolas, o país tem feito progressos notáveis na área e já começa a colher os frutos

A China está transformando seu setor agrícola tradicional, usando a ciência e tecnologia para promover a revitalização e a modernização rurais. O presidente da Academia Chinesa de Ciências Agrícolas (ACCA), Tang Huajun, afirmou que o país teve um progresso notável foi feito em inovação, desempenhando um importante papel na garantia da segurança alimentar nacional e no aumento da renda dos agricultores.

Os custos de produção, no entanto, permanecem altos ao mesmo tempo em que o preço dos produtos atinge seu “teto”, o que resulta numa diminuição dos lucros. Segundo Tang, a China também está enfrentando desafios como recursos limitados e poluição ambiental, e falta da competitividade. “A inovação científica e tecnológica é urgentemente necessária para facilitar a reforma estrutural no lado da oferta, promover o desenvolvimento amigável com o ambiente e apoiar a implementação da revitalização rural”, disse.

A academia estabeleceu um plano quinquenal para o desenvolvimento de tecnologias chave em áreas como variedades de cultivos de alta qualidade, máquinas automatizadas, processamento de produtos agrícolas, manufatura alimentar moderna, eficiência hídrica, controle da poluição, reciclagem de resíduos agrícolas, e restauração e proteção ecológicas.

Segundo um relatório feito pela ACCA, o progresso científico e tecnológico contribuiu com 57,5% do crescimento agrícola da China em 2017, em comparação com os 53,5% em 2012. Nesse período, os pesquisadores chineses fizeram diversos avanços na área, incluindo cultivo e promoção de espécies de arroz de alto rendimento e novas espécies de algodão geneticamente modificados que resistem a insetos, assim como o desenvolvimento bem-sucedido de vacinas altamente eficientes para o mortal vírus da gripe aviária H7N9, afirma o relatório.

Com disponibilidade decrescente da terra agrícola, água doce e outros recursos, a ciência e tecnologia está desempenhando um maior papel na elevação da safra de grãos. A produção de grãos da China manteve-se estável em mais de 600 milhões de toneladas a cada ano nos últimos cinco anos. A ampla aplicação de biotecnologia, tecnologia da informação, tecnologia dos materiais e recursos e tecnologias ambientais também impulsionou a pesquisa em áreas como procriação de animais e plantas, controle de pestes, processamento, armazenamento e transporte, e qualidade e segurança dos produtos agrícolas, indicou Tang.

Os cientistas chineses descobriram excelentes recursos e genes de germoplasma, tendo, basicamente completado o mapeamento e sequenciamento genéticos de arroz, trigo, milho, algodão, soja, tomate, pepino, repolho e outros cultivos. Com a ajuda de tecnologia de edição de genoma, a eficiência de procriação animal melhorou muito, sendo que cientistas chineses também realizaram sequenciamento de genomas de porco, gado, ovelha, frango, pato e ganso. Tang ainda disse que o cultivo de algodão geneticamente modificado na China foi expandido para mais de 30 milhões de hectares.

A tecnologia agrícola da China também está beneficiando todo o mundo: suas vacinas de gripe aviária estão disponíveis na Ásia e África e mais de 70 espécies de arroz híbrido chineses foram fornecidos para países como Indonésia, Paquistão, Índia e Filipinas. A China demonstrou o cultivo de 68 variedades de arroz de rendimento super alto em 18 países asiáticos e africanos, abrangendo uma área total de 1,8 milhão de hectares, com um aumento de safra média de cerca de 20%. O país também estabeleceu uma estação experimental no Quirguistão para promover as variedades e tecnologias de algodão de alta qualidade na Ásia Central.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.